Ainda há 197,2 mil jovens que não estudam, nem trabalham. São os “nem-nem”

Os dados divulgados hoje pelo INE mostram que, no segundo trimestre do ano, a taxa de jovens não empregados e que não estavam a estudar baixou, relativamente ao trimestre anterior.

O número de jovens não empregados que não estavam em educação ou em formação, também conhecidos como os jovens “nem-nem”, no segundo trimestre de 2018 baixou, tanto em relação ao trimestre anterior como ao período homólogo. Os dados divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que no segundo trimestre deste ano, do total de 2.215,9 mil jovens (dos 15 aos 34 anos), 197,2 mil (8,9%) encontravam-se na categoria dos “nem-nem”.

O grupo, no trimestre em análise, era composto sobretudo por mulheres, que representavam 52,8%, jovens dos 25 aos 34 anos (57,8%), pessoas com um nível de escolaridade completo correspondente, no máximo, ao terceiro ciclo do ensino básico (45,7%) e desempregados, 52,1%.

Relativamente ao trimestre anterior, de janeiro a março, a taxa de jovens não empregados e que não estavam em educação ou formação diminui 1,6 pontos percentuais. Este decréscimo foi mais notório nos homens (2,3 pontos percentuais) do que nas mulheres (1,0 pontos percentuais). Analisando as faixas etárias, a maior diminuição verificada foi no grupo dos 20 aos 24 anos (2,4 pontos percentuais). Em relação aos níveis de escolaridade, todos eles registaram uma diminuição, sendo a mais expressiva no ensino secundário e pós-secundário.

Comparando a taxa de jovens “nem-nem” do trimestre em análise com os valores do período homólogo, o segundo trimestre de 2017, verifica-se uma diminuição de 1,9 pontos percentuais. Neste período temporal, pelo contrário, foram as mulheres que não estavam empregadas nem em educação ou formação que viram o decréscimo mais acentuado. O grupo etário dos 25 aos 34 anos diminui 3 pontos percentuais e, na altura, a maioria dos “nem-nem” possuía um nível de escolaridade completo correspondente, no máximo até ao terceiro ciclo, tal como aconteceu no segundo trimestre de 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ainda há 197,2 mil jovens que não estudam, nem trabalham. São os “nem-nem”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião