China vai aplicar tarifas sobre 16 mil milhões de dólares em produtos dos EUA

Depois de Trump ter anunciado tarifas sobre produtos chineses, a China respondeu na mesma moeda: taxas de 25% sobre 16 mil milhões de dólares em produtos dos EUA.

Donald Trump anunciou e, um dia depois, a China respondeu. Depois de os EUA terem informado o mundo de que iriam aplicar tarifas de 25% sobre o equivalente a mais de 16 mil milhões de dólares (13,8 mil milhões de euros) em produtos chineses a partir de 23 de agosto, Pequim vai responder na mesma moeda e introduzir taxas nos mesmos valores, e a partir da mesma data, avança a Reuters (conteúdo em inglês).

De acordo com o anúncio feito pelo Ministério do Comércio da China, as tarifas serão aplicadas sobre cerca de 16 mil milhões de dólares em vários bens como combustíveis, produtos siderúrgicos (ferro e aço), produtos químicos, carvão, petróleo, automóveis e equipamentos médicos. Além disso, — e porque a lista dos produtos norte-americanos afetados difere, em parte, da publicada inicialmente em junho, que incluía petróleo bruto –, a China acrescentou farinha de peixe, resíduos de madeira, papel, sucatas de metal e vários tipos de bicicletas. Relativamente ao número de categorias, este aumentou de 114 para 333, embora o valor final continue o mesmo.

Os EUA estão a aplicar taxas de 25% sobre 34 mil milhões de dólares em importações chinesas, desde 6 de julho, aos quais somam as últimas taxas anunciadas: tudo somado, o agravamento das tarifas englobam importações no valor de 50 mil milhões.

Esta terça-feira, Donald Trump anunciou que os restantes 16 mil milhões passarão a ser taxados a partir de 23 de agosto. Contudo, a Casa Branca poderá aumentar para mais de 200 mil milhões de dólares (172,7 mil milhões de euros) em produtos chineses, uma decisão que deverá ser tomada até 6 de setembro.

Caso este valor venha realmente a aumentar, a China poderá subir ainda mais as suas tarifas: 25% sobre mais de 60 mil milhões de dólares (51,8 mil milhões de euros) em produtos norte-americanos. Até à data, o Governo chinês já impôs tarifas sobre 110 mil milhões de dólares (95 mil milhões de euros) de produtos vindos dos Estados Unidos, representando a maior parte das suas importações anuais de produtos oriundos daquela região, escreve a Reuters.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China vai aplicar tarifas sobre 16 mil milhões de dólares em produtos dos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião