Wall Street resiste ao medo das tarifas de Trump com Apple em alta

A bolsa norte-americana abriu a resistir às pressões da possível escalada da guerra comercial, puxada pelos bons resultados da Apple.

Wall Street abriu no verde esta quarta-feira, mesmo com a pressão da possível escalada da guerra comercial. Notícias de que Trump poderia aumentar as tarifas aos produtos chineses assustaram, mas os bons resultados da Apple ajudaram a puxar pela bolsa norte-americana acima da linha.

O Dow Jones arrancou a valorizar 0,18%, depois de ter terminado a última sessão em alta, mas com os valores a baixar rapidamente. O índice de referência mundial S&P 500 também começou a sessão a valorizar 0,17% para os 2821,17 pontos.

O índice tecnológico Nasdaq foi o que avançou mais, a subir 0,39% para os 7701,82 pontos, com o incentivo da Apple. As ações da empresa de Tim Cook abriram num máximo histórico, e estão a valorizar 4,50%.

Os resultados das empresas suavizaram o receio dos investidores de uma escalada na guerra comercial. As tecnológicas Facebook, Amazon, Netflix e Alphabet também abriram em alta. São ainda esperadas as conclusões da reunião da Reserva Federal norte-americana.

O crude caiu para menos de 72 dólares por barril, depois de um relatório revelar que os EUA têm reservas de petróleo superiores ao que era esperado pelo mercado. Do outro lado do Atlântico, as praças europeias estão todas a negociar no vermelho, não partilhando o sentimento positivo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street resiste ao medo das tarifas de Trump com Apple em alta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião