Apple com melhor trimestre de sempre até junho, supera expectativas de analistas

As receitas continuam a dever-se principalmente à venda dos iPhones, mas os serviços e wearables viram um aumento na procura.

A Apple registou uma subida nas receitas de 17%, para os 53,3 mil milhões de dólares, no terceiro trimestre fiscal da empresa. Os resultados foram os melhores de sempre da empresa para o trimestre de junho e podem ser um bom sinal para o último trimestre do ano da Apple, uma vez que o calendário da empresa prevê normalmente novos lançamentos no período que vai de julho a setembro.

A empresa liderada por Tim Cook viu assim lucros líquidos de 11,5 mil milhões de dólares, devido principalmente à venda dos iPhones, mas também a uma maior procura por serviços, como o Apple Music e alguns wearables. Os analistas de Wall Street previam cerca de 52 milhões de dólares para o total de receitas, que foram superados.

O trimestre de junho costuma ser mais calmo, já que os novos lançamentos acontecem no outono. Mas, no ano passado, foram lançados três novos modelos — o iPhone X, iPhone 8 e 8 Plus — que fizeram sucesso, para além de serem vendidos a preços mais altos do que os anteriores, o que também ajudou a dar um empurrão às receitas.

A marca da maçã vendeu cerca de 41,3 milhões de iPhones entre abril e junho deste ano, 1% mais do que no ano anterior mas, graças ao preço dos equipamentos, as vendas representaram 20% mais de receitas para os 29,9 mil milhões de dólares com o produto-bandeira. O iPhone X é o aparelho mais popular da marca, e também o mais caro.

Estes resultados superaram as expectativas dos analistas. Segundo as previsões da Apple para o próximo trimestre, incluídas nos resultados, esperam-se receitas entre os 60 e 62 mil milhões de dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apple com melhor trimestre de sempre até junho, supera expectativas de analistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião