Mais de metade da atividade da Visabeira é feita nos mercados externos

  • ECO e Lusa
  • 1 Agosto 2018

O volume de negócios do grupo Visabeira subiu 11,7% nos primeiros seis meses do ano. Dona da Vista Alegre continua a apostar nos mercados internacionais.

O volume de negócios do grupo Visabeira subiu 11,7% nos primeiros seis meses do ano, face a igual período de 2017, para 327 milhões de euros, divulgou esta quarta-feira a empresa, precisando que mais de metade do negócio (64%) é feito nos mercados internacionais.

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) aumentou 21,5% para 61,3 milhões de euros, com uma margem de 18,8%, o que compara com os 17,2% registados em igual período do ano anterior, refere o grupo, em comunicado. “Nos mercados externos, continuamos empenhados na exportação de produtos e serviços desenvolvidos pelas empresas do grupo”, sendo que no primeiro semestre a atividade naqueles mercados representou 64% do total do volume de negócios.

No que respeita ao mercado europeu, “o volume de negócios cresceu sustentadamente de forma orgânica, atingindo o montante de 158 milhões de euros, com destaque para presença em França, Alemanha, Itália, Bélgica e Dinamarca”.

Relativamente aos mercados em África, estes registaram “cerca de 49 milhões de euros de volume de negócios” no semestre.

A área de negócios com maior peso no grupo, referem, “continua a ser Visabeira Global, contribuindo com 71% do volume de negócios e 60% no EBITDA, o que demonstra uma boa performance operacional nas atividades de televisão por cabo e serviços de engenharia de redes de telecomunicações, eletricidade e gás, tanto a nível nacional como internacional”.

Através da Constructel, “com o objetivo de reforçar a sua presença em novos países no mercado europeu, constituiu uma joint-venture [parceria] com um parceiro inglês para construção de rede de fibra ótica para a British Telecom”, adianta.

No mercado indiano, a Visabeira destaca o “início de atividade de operador wholesale com construção, operação e manutenção de rede em fibra ótica numa extensão de 3.000 quilómetros, com receitas de exploração já contratadas de 35 milhões de euros“.

Na indústria, a Visabeira destaca o investimento em curso na expansão da capacidade produtiva em 60% da Ria Stone, subsidiária da Vista Alegre, no âmbito de um contrato com a cadeia Ikea que garante a compra de toda a produção até 2026 no valor global de 250 milhões de euros.

A Bordallo Pinheiro encontra-se em processo de ampliação de 70% da capacidade produtiva, o que vai permitir a automação de processos e desenvolvimento de novos produtos com maior valor acrescentando e qualidade.

Aponta ainda que a Vista Alegre tem um contrato para os próximos três anos para fornecimento de louça, em exclusivo, para 40 resorts da cadeia hoteleira Club Med, localizados em 26 países.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Mais de metade da atividade da Visabeira é feita nos mercados externos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião