Quase 10% das vagas para recrutar médicos ficaram vazias

  • ECO
  • 8 Agosto 2018

Do total de 1.234 vagas disponíveis no concurso para médicos recém-especialistas lançado pelo Governo, 117 ficaram por ocupar. Contudo, em certas áreas houve mais candidatos do que vagas.

O maior concurso para recém-especialistas médicos dos últimos anos ficou com vagas por preencher. Do total de 1.234 vagas disponíveis 117 ficaram vazias, avança o Público (acesso condicionado) nesta quarta-feira. Ou seja, 10% do total de vagas disponíveis. Ainda assim, em várias especialidades houve mais concorrentes do que os lugares disponíveis.

Em causa está o concurso lançado pelo Governo a 26 de julho que tinha como um dos objetivos captar profissionais que estão fora do Serviço Nacional de Saúde (SNS). No total concorreram 1.117 médicos que não foram suficientes para ocupar a totalidade das vagas disponíveis, 378 das quais para medicina geral e familiar e 856 para áreas hospitalares e de saúde pública.

De acordo com dados disponibilizados ao jornal pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), do total de médicos que participaram no concurso, 351 concorreram para medicina geral e familiar e 766 para as áreas hospitalares e saúde pública. Apesar de o número de candidatos ter ficado aquém do objetivo do ministério desejava, em 16 das 44 especialidades o número de candidatos foi igual ou superior ao de vagas lançadas. Foi o que aconteceu com psiquiatria, genética médica, nefrologia, cirurgia geral ou pneumologia, adianta o Público.

Aquando do lançamento do concurso, o secretário de Estado da Saúde, Fernando Araújo, deu uma conferência de imprensa para explicar que o número de vagas estava “cerca de 10 a 15% acima do número de médicos que terminaram o internato”. Na altura justificou a decisão com o objetivo de “tentar captar médicos que estão fora do SNS de modo trazê-los de volta porque precisamos deles seguramente”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quase 10% das vagas para recrutar médicos ficaram vazias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião