Hoje nas notícias: burla, médicos de família e Robles

  • ECO
  • 9 Agosto 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Esta quinta-feira não foge à regra dos últimos dias, com o incêndio em Monchique a dominar jornais, televisões e rádios. Durante a noite, as chamas não foram brandas, especialmente na cidade de Silves. A localidade de Enxerim foi a mais afetada, uma vez que o fogo esteve muito próximo das casas. Ainda sobre o incêndio, a imprensa nacional escreve sobre a regra de comando, adotada após o incêndio em Pedrógão, e que agora, em Monchique, foi “ignorada”. Dos fogos para o setor das seguros: burla com carros importados está a preocupar as seguradoras. Na saúde, a falta de médicos de família pode começar a ser um problema. Na justiça, a reorganização dos tribunais vai atrasar os processos.

Seguradoras recusam seguros de danos próprios para combater burla com carros importados

O dia começa com notícias sobre o mundo dos seguros. Segunda avança esta manhã o Jornal de Notícias (acesso pago), as seguradoras estão a recusar fazer seguros de danos próprios, ou os conhecidos seguros “contra todos os riscos”, em carros usados e importados. Esta medida pretende combater uma fraude que tem início na compra de automóveis de gamas média e alta no estrangeiro e termina com a simulação de furtos ou acidentes para obter indemnização acima do valor da compra.

Número de reformas de médicos de família é superior às admissões

O Ministério da Saúde anunciou que 351 recém-especialistas concorreram para os centros de saúde, no entanto, este ano, são esperadas mais de 400 aposentações. No próximo ano, o cenário agrava-se com o número de saída ainda maior, o que poderá causar problemas em algumas zonas, que agora ainda têm cobertura total. Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso livre).

Robles não vai discursar sobre os problemas da habitação

Ricardo Robles estará presente na rentrée do Bloco de Esquerda, no entanto não será o orador sobre os problemas da habitação e sobre como resistir aos despejos. Recorde-se que, no ano passado, foi o ex-vereador que abordou este temas durante a sessão. Leia a notícia completa no jornal i (acesso pago).

Novo conselho de supervisão vai cobrar taxas

A futura entidade que vai coordenar os supervisores financeiros — Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Banco de Portugal (BdP) e Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) — vai ter autonomia para decidir as taxas a cobrar para se financiar, bem como a dimensão total da sua estrutura. A notícia é avançada pelo Jornal de Negócios (acesso pago) que dá conta ainda de que serão os próprios supervisionados a financiar esta nova entidade. O jornal cita a ideia que consta no diploma que está a ser preparado para a reforma da supervisão financeira.

Mudanças no mapa judiciário vão atrasar processos, alertam os juízes

A Associação Sindical de Juízes Portugueses alerta para os atrasos decorrentes da reorganização dos tribunais que o Ministério da justiça quer promover. Atrasos que vão somar aos já existentes. Em causa não está uma reorganização profunda, mas pequenos ajustes como reduzir o número de juízes nuns tribunais e aumentar noutros, magistrados com mais do que um tribunal a cargo e alterações das competências de vários tribunais. A Associação de juízes questiona a fiabilidade dos dados em que o Ministério se baseou para fazer a reforma, num parecer a que o Público teve acesso, e critica a decisão tomada apenas com base em números descurando as especificidades regionais. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: burla, médicos de família e Robles

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião