Mais de metade do Alojamento Local no Porto pertence a empresas e está no centro histórico

  • ECO e Lusa
  • 11 Agosto 2018

Mais de 70% das unidades de Alojamento Local no Porto estão concentradas nas freguesias do centro histórico do Porto. São 4.411 registos.

Mais de metade do Alojamento Local (AL) no Porto pertence a empresa, sociedade ou pessoa coletiva (51,3%), sendo que o titular da exploração no primeiro lugar do pódio tem “70 registos”, concluiu um estudo, e quase dois terços estão no centro histórico da cidade.

Um estudo sobre o mapeamento do AL realizado este verão pelo movimento O Porto não se Vende revela que entre os 6.198 registos de AL que existiam na cidade do Porto até 18 de julho mais de metade (51,3%) estão em nome de empresas ou sociedades e sociedades unipessoais. Além disso, a maioria concentrada na União de Freguesias do Centro histórico do Porto (71,2%), com 4.411 registos de AL, nomeadamente na União de Freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória, e que corresponde à zona do centro histórico do Porto.

Entre os registos, o estudo revela ainda que há 84 titulares de AL com “mais de oito registos” e que o titular coletivo com mais AL na cidade do Porto tem “70 registos” efetivos na página do Registo Nacional de Alojamento Local (RNAL).

O segundo titular coletivo com mais AL apresenta-se na RNAL com 61 registos em terceiro lugar do pódio está o titular com “48 registos”, acrescenta o mesmo estudo.

“Estes titulares, em conjunto, são responsáveis por 1.352 registos (21,2% do total na cidade). Neste grupo sobressai ainda um subgrupo de 27 titulares com mais de “16 registos”, e que detém “751 registos”, ou seja 12,4%, lê-se no mesmo documento ao qual a Lusa teve hoje acesso.

Em declarações à Lusa, uma das representantes do Movimento O Porto não se Vende, Ana Barbeiro, descreve, por exemplo, que alguns desses registos coletivos são de áreas bem distintas da turística, aparecendo por exemplo uma sociedade de gestão agrícola.

Na análise que a Lusa realizou este sábado na página da Internet da Registo Nacional de Alojamento Local (RNAL) sobre os “titulares da exploração” de AL no Porto, pode ler-se, por exemplo, que estão incluídas sociedades tão díspares como organizações de informática, ferragens, serviços médicos (Moreira da Costa), sociedade de eventos, Associação do Hospital de Crianças Maria Pia, estabelecimentos de restauração e bebidas ‘take away’, café e similares ou farmácias.

Os restantes registos – 3.019 – que correspondem a 48,7% do total de registos são de pessoas singulares.

Em entrevista telefónica à Lusa, José Pedro Lobo, titular do Alojamento Local no Porto designado por Guimarães Sousa Lobo, Investimentos Imobiliário, empresa dedicada à Reabilitação Urbana, que depois vende, faz arrendamento convencional e também turismo de alojamento local, conta à Lusa que uma parte dos operadores turísticos de AL no Porto são empresas que prestam serviço aos verdadeiros proprietários e que ganham entre “20 a 30%” por cada noite vendida.

“Há empresas que gerem o alojamento local e que ficam com 20 a 30%. As transferências são enviadas para o senhorio e depois há uma percentagem entregue à operadora que faz o acolhimento dos hóspedes à chegada, trata da lavandaria ou faz de cicerone na cidade”, descreve.

Há também a modalidade de o proprietário fazer um “contrato de arrendamento” e ser a operadora turística a gerir o apartamento pagando uma renda fixa ao proprietário, mas ficando com todo o lucro e ou prejuízo da casa que fica em AL.

Nos AL do Porto estão incluídos apartamentos, moradias, estabelecimentos de hospedagem e estabelecimentos tipo ‘hostel’. A maioria do AL no Porto são apartamentos (86,7%), ou seja há 5.376 apartamentos da cidade do Porto destinados para turistas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de metade do Alojamento Local no Porto pertence a empresas e está no centro histórico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião