Quantos voos chegam ou partem de Portugal por dia?

Foram mais de 50 milhões de passageiros e quase 400 mil movimentos registados nos aeroportos portugueses no ano passado.

O turismo bate recordes ano após ano e o movimento aeroportuário é o reflexo desse desempenho. No ano passado, os aeroportos portugueses ultrapassaram mais uma fasquia, ao superarem os 50 milhões de passageiros pela primeira vez e ao chegarem quase a 400 mil voos num só ano. Feitas as contas, são mais de mil aviões que descolam de e aterram em Portugal diariamente.

Sem contar com os aeródromos, que não recebem um número significativo de voos comerciais, Portugal conta com dez aeroportos: Lisboa, Porto, Faro, Beja, Funchal, Porto Santo, Ponta Delgada, Santa Maria, Horta e Flores. Juntos, estas dez infraestruturas, todas geridas pela ANA – Aeroportos de Portugal, receberam, no conjunto de 2017, 51.802.422 passageiros, num total de 398.344 movimentos.

Número de voos aumentou 11% em 2017

Fonte: ANA - Aeroportos de Portugal

Significa isto que, no ano passado, os aeroportos portugueses movimentaram uma média de 1.091 voos por dia e quase 115 mil passageiros por dia.

Os números diferem muito em cada aeroporto. Só o Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, responde por mais de metade destes valores, ao registar 199.262 movimentos (o equivalente a metade do total de movimentos) e 26.663.096 passageiros (mais de 51% do total de passageiros). O Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, é o segundo maior, com 10,7 milhões de passageiros e 85 mil movimentos.

No campo oposto, os aeroportos dos Açores, juntos, receberam 2,2 milhões de passageiros e 27,8 mil movimentos, o que representa 4% e 7%, respetivamente, do total nacional.

Portugal já recebe mais de 50 milhões de hóspedes

Fonte: ANA - Aeroportos de Portugal

Para este ano, só existem estatísticas para o primeiro trimestre, mas, a julgar pela evolução de todos os indicadores do turismo, os aeroportos portugueses estão a receber mais voos do que no ano passado. Nos primeiros três meses deste ano, os aeroportos nacionais registaram um total de 10,4 milhões de passageiros, o que representa um aumento de 12% face a igual período do ano passado.

Já nos próximos anos, a tendência será sempre para aumentar, sobretudo quando o aeroporto do Montijo, que vem complementar a operação de Lisboa, estiver em funcionamento.

Quando o aeroporto do Montijo estiver operacional, o que se prevê que aconteça em 2021, a zona de Lisboa poderá vir a registar 72 movimentos por hora, quase o dobro dos 38 movimentos que, em média, regista atualmente. O objetivo é até que as alterações que estão a ser feitas ao sistema de navegação aérea permitam chegar aos 48 movimentos por hora, só no Aeroporto Humberto Delgado, já em 2020, antes de o Montijo estar pronto.

Quanto custa produzir uma bola de Berlim? Os portugueses bebem muita cerveja? Quanto ganha um motorista da Uber? E um presidente de junta? A quem é que Portugal deve mais dinheiro? 31 dias e 31 perguntas. Durante o verão, o ECO preparou a “Sabia que…”, uma rubrica diária para dar 31 respostas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quantos voos chegam ou partem de Portugal por dia?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião