Boom duplica emprego no setor imobiliário

  • ECO
  • 20 Agosto 2018

Havia 35,7 mil empregos no setor imobiliário, no final de junho. É quase o dobro do que se registava no mesmo período de 2015, ano em que o imobiliário começa a despertar depois da crise.

O imobiliário está em alta. Os preços sobem, as transações aumentam, mas o número de pessoas que trabalham na compra, venda e arrendamento de imóveis disparou. Está em máximos de 2011, ano em que a troika chegou a Portugal.

Havia 35,7 mil empregos no setor imobiliário, no final de junho, de acordo com os cálculos do Jornal de Negócios (acesso pago), com base nos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). É quase o dobro do que se registava no mesmo período de 2015.

O jornal sublinha que a pujança do mercado de trabalho neste setor é visível desde esse ano, mas intensificou-se em 2018. No segundo trimestre deste ano, o imobiliário registou a maior variação absoluta homóloga de postos de trabalho desde que a série começou em 2011. O setor somou mais 8,3 mil empregos face ao mesmo período de 2017, disparando mais de 30%.

Há um forte aumento nas profissões que lidam com a compra, venda e arrendamento (apenas longa duração) de bens imobiliários, assim como a mediação e avaliação imobiliária e a administração de imóveis, sejam estes residenciais ou não residenciais. No entanto, os números totais podem ser ainda mais expressivos já que os dados do INE não incluem o alojamento local e a promoção imobiliária.

Apesar do crescimento acelerado, à boleia da escalada dos preços, o Negócios lembra que este continua a ser um setor que pesa muito pouco no mercado de trabalho. É dos que cresce a um ritmo mais elevado (em termos percentuais), mas não chega a 1% do mercado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boom duplica emprego no setor imobiliário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião