Glovo expande serviço a Algés, Carnaxide e Alfragide

A aplicação de entrega de refeições Glovo começou esta segunda-feira a prestar o serviço nas zonas de Algés e Carnaxide (Oeiras) e Alfragide (Amadora).

O serviço da Glovo passa a abranger novas zonas da Grande Lisboa a partir desta segunda-feira.A Glovo expandiu operações a Algés e Carnaxide, no concelho de Oeiras, e a Alfragide, no concelho da Amadora. A informação foi avançada pela empresa num comunicado, onde a startup de origem espanhola destaca a aposta na “expansão e consolidação no mercado português”.

O alargamento do serviço a estas zonas da Grande Lisboa é um passo que surge depois da expansão da Glovo ao Parque das Nações no início do ano, ao Porto no passado mês de março e a Belém em abril. Desta forma, a empresa pretende que a aplicação proporcione “uma oferta cada vez mais diversificada aos utilizadores” e que passe a incluir mais parceiros, o que representa um potencial aumento das receitas para a empresa.

A aplicação entrega maioritariamente refeições ao domicílio, contando com uma rede de estafetas para tal. A empresa processa os pagamentos do serviço e, depois, distribui a receita pelos estabelecimentos parceiros e pelos estafetas, retendo uma comissão. Os parceiros são, sobretudo, restaurantes, mas a empresa também se propõe a fazer entregas de mercearias, farmácias, entre outros.

Em Portugal, a Glovo concorre diretamente com a UberEATS, detida pela empresa de transporte privado Uber. A expansão da Glovo para estas zonas surge depois de também a UberEATS ter alargado o serviço ao Porto no passado mês de maio, e a regiões como Amadora, Queluz, Odivelas e Loures, em junho. A Glovo pretende, desta forma, prestar também o serviço em zonas que já são abrangidas pela principal concorrente.

Depois da expansão anunciada esta segunda-feira, a Glovo passa a fazer entregas a partir de novos estabelecimentos parceiros. “Locais emblemáticos como o Tavola Calda, Nova Peixaria, Amaterasu, Sublime, Santini e Artisani são alguns exemplos de estabelecimentos que estarão disponíveis para os utilizadores da aplicação”, revelou a empresa.

De recordar que a Glovo fechou uma ronda de financiamento de 115 milhões de euros em julho. Foi uma das maiores angariações de capital de risco dos últimos anos no ecossistema de startups espanhol. Na operação, participou a empresa polaca AmRest Holdings, que detém os restaurantes italianos La Tagliatella, como noticiou o ECO.

(Notícia atualizada às 11h09 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Glovo expande serviço a Algés, Carnaxide e Alfragide

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião