Volkswagen chama para revisão 700.000 veículos Tiguan e Touran

  • Lusa
  • 20 Agosto 2018

O fabricante de automóveis alemão Volkswagen (VW) anunciou hoje que vai pedir uma revisão a cerca de 700.000 veículos dos modelos Tiguan e Touran.

O fabricante de automóveis alemão Volkswagen (VW) anunciou hoje que vai pedir uma revisão a cerca de 700.000 veículos dos modelos Tiguan e Touran.

Isto porque o painel de luz do teto pode provocar curto circuitos em caso de humidade, explicou a marca alemã.

Só na Alemanha serão afetados por esta chamada cerca de 50.000 automóveis.

Segundo a VW, o problema afeta os veículos da nova geração que foram produzidos até ao passado dia 05 de julho.

Um curto circuito no painel de luz pode provocar danos no teto e, em caso extremo, poderá levar a que o veículo fique completamente queimado, adianta a publicação especializada Kfz-Betrieb, citando fontes da empresa.

A Volkswagen está a desenvolver uma solução para o problema que, de acordo com um porta-voz, poderá disponibilizar em breve.

Apesar do problema, a VW considera que os clientes podem continuar a utilizar o seu automóvel se fizerem as reparações necessárias.

No entanto, caso apareçam manchas no teto, a marca recomenda a ida à oficina mais próxima.

O primeiro sinal de que se pode produzir um curto circuito é o painel de luz deixar de funcionar, o que pode indicar que a humidade afetou o sistema elétrico.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Volkswagen chama para revisão 700.000 veículos Tiguan e Touran

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião