Carta de condução só para quem aprender a usar desfibrilhador

  • ECO
  • 22 Agosto 2018

O grupo de trabalho criado pelo Ministério da Saúde recomenda que quem tirar a carta seja obrigado a aprender a usar um desfibrilhador. Profissionais da PSP e GNR devem também ser formados.

Tirar a carta de condução vai passar a ser sinónimo de aprender a usar um desfibrilhador automático externo. Pelo menos, é isso que recomenda o grupo de trabalho criado pelo Ministério da Saúde, avança o Jornal de Notícias (acesso pago). Os profissionais das forças de segurança, os nadadores-salvadores e os membros da tripulação de aviões também devem vir a ser obrigados a receber formação em suporte básico de vida.

O grupo de trabalho recomenda ainda que os alunos do Ensino Secundário e dos cursos superiores de Ciências da Saúde e do Desporto tenham se receber esta formação.

Esta medida — cujo objetivo é fazer com que cada vez mais pessoas saibam lidar com paragens cardiorrespiratórias com recurso a este tipo de aparelhos — deverá fazer disparar, nos próximos anos, o número de desfibrilhadores instalados em locais públicos.

De facto, pretende-se que estes dispositivos sejam instalados em locais onde, em média, passem pelo menos mil pessoas por dia, isto é, em centros comerciais, monumentos, comboios de longo curso e ginásios.

O grupo de trabalho em causa foi criado para analisar requalificação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa. O relatório que acabou por ser produzido neste âmbito está agora em discussão pública até 27 de agosto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carta de condução só para quem aprender a usar desfibrilhador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião