Reembolso das coimas do Via CTT? Governo atira solução para o Orçamento do Estado

Ao ECO, o Ministério das Finanças diz que a solução para os contribuintes que já tinham pago as coimas por falta de inscrição no Via CTT só será conhecida no âmbito do Orçamento do Estado para 2019.

Os contribuintes que já tinham pago as coimas aplicadas por falta de inscrição no Via CTT, aquando da suspensão de todos os processos de contraordenação, vão ter de esperar até ao final do ano para saber que solução vai adotar o Governo. Ao ECO, o Ministério das Finanças garantiu que essa medida vai ser enquadrada no “âmbito do Orçamento do Estado para 2019”. Em causa está, provavelmente, o reembolso.

No início de julho, milhares de portugueses foram surpreendidos por notificações para o pagamento de coimas por falta de adesão à caixa postal eletrónica Via CTT, que é obrigatória desde 2012 para trabalhadores, empresas e associações que paguem IRC ou cobrem IVA.

Na ocasião, o Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais explicou que os contribuintes podiam pedir “dispensa” da multa, o que acabou por gerar alguma confusão junto das várias repartições de Finanças. Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, esse “afastamento excecional” da coimas não estava a ser aplicado de forma “igual em todo o país”.

Perante este cenário de desorientação, a Autoridade Tributária mandou suspender a “tramitação de todos os processos de contraordenação instaurados”, afastando assim o dever de pagamento de quem ainda não o tinha feito e deixando no limbo os contribuintes que já o tinham efetuado.

Sobre essa última matéria, António Mendonça Mendes esclareceu, na comissão parlamentar do Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA), que o Governo estava a “trabalhar para que aqueles que pagaram [as multas] tenham um tratamento idêntico aos que não pagaram, o que na prática se deverá traduzir na devolução desse dinheiro. Nessa altura, o Secretário de Estado não adiantou, contudo, quando seria apresentada e posta em prática essa solução, dando azo a várias dúvidas.

Deste modo, tanto o CDS-PP como o próprio PS questionaram o Governo sobre este assunto. O Ministério das Finanças respondeu, no entanto, apenas às perguntas colocadas sobre a notificação eletrónica dos contribuintes. “O Governo apresentará em sede de proposta de Lei de Orçamento do Estado para o ano de 2019 uma iniciativa legislativa que enquadre uma alternativa à notificação eletrónica prevista na lei”, lê-se no documento publicado no site do Parlamento.

Questionado pelo ECO sobre se a solução que será aplicada de modo a que os contribuintes que foram mais cumpridores não saiam prejudicados desta situação também só será conhecida nesse momento, o Governo confirmou que é esse o plano.

Recorde-se que, em declarações ao ECO, vários fiscalistas garantiram que o reembolso dos montantes já pagos não teria base legal e, portanto, só poderia acontecer como “medida administrativa”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reembolso das coimas do Via CTT? Governo atira solução para o Orçamento do Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião