Quer proteger-se contra os percalços do Via CTT? Nós ajudamos

Milhares de contribuintes foram surpreendidos por coimas por falta de adesão ao Via CTT. O Governo já suspendeu as multas, mas as dúvidas permanecem. O fiscalista Rogério Fernandes Ferreira esclarece.

Milhares de contribuintes foram apanhados de surpresa pela atribuição de coimas por falta de inscrição no Via CTT. Entretanto, o Governo suspendeu os processos de contraordenação, mas mantêm-se algumas dúvidas: O que fazer agora que as multas foram suspensas? Quem já pagou pode ser reembolsado? O fiscalista Rogério Fernandes Ferreira analisa o enquadramento legal deste caso e adianta o que devem os contribuintes fazer.

Inscrição no Via CTT é obrigatória?

  • O Orçamento do Estado para 2012, veio determinar que o domicílio fiscal do contribuinte passaria a integrar a caixa postal eletrónica, sendo que esta caixa postal passaria a ser obrigatória, desde meados de 2012, para os sujeitos passivos de IRC com sede ou direção efetiva em território português, para os estabelecimentos estáveis de sociedades e para outras entidades não residentes, bem como para os sujeitos passivos de IVA residentes em território português;
  • Os sujeitos passivos obrigados a aderir à caixa postal eletrónica devem promover essa adesão no prazo de 30 dia a contar da data de entrega da declaração de início de atividade ou nos 30 dias subsequentes à data do início do enquadramento no regime normal de IVA, quando ocorra essa operação, o que acontece nos casos em que determinado sujeito passivo deixa de estar abrangido por um regime de isenção de IVA;
  • A criação da caixa postal eletrónica tem em vista facilitar a comunicação entre a Administração tributária e os contribuintes, sendo que, após a adesão ao serviço da caixa postal eletrónica, as notificações da Administração tributária são todas efetuadas por essa via;
  • Por sua vez, a Lei do Orçamento do Estado para 2013 veio aditar ao Regime Geral das Infrações Tributárias a norma punitiva, que prevê a aplicação de coima para a falta de adesão ou para a adesão fora de prazo à caixa postal eletrónica, sendo aplicável uma coima variável entre €50 e €250 para as pessoas singulares e €100 a €500 para as pessoas coletivas.

Fui multado e agora?

Após a chegada da notificação, os contribuintes poderão:

  • Apresentar defesa, nos termos da qual justificam que não violaram qualquer obrigação tributária, solicitando o arquivamento do processo de contra ordenação, sem a aplicação de coima;
  • Proceder ao pagamento da coima, com redução, sendo que, nestes casos, o valor a pagar será reduzido para o valor mínimo da coima e com uma redução das custas para metade;
  • Apresentar um pedido de dispensa de aplicação de coima, sendo que a aplicação do mesmo dependerá dos seguintes requisitos legais: a prática da infração em causa não ocasionar qualquer prejuízo para a receita tributária; a falta cometida já se encontrar regularizada; e falta revelar um diminuto grau de culpa.

Já paguei a coima. Posso pedir reembolso?

Neste momento, identificamos ser possível coexistirem cinco tipos de situações:

  • Contribuintes que foram notificados e procederam ao pagamento (tenha, ou não, esse pagamento sido antecipado com redução do valor da coima para o mínimo legal e ainda uma redução das custas processuais para metade);
  • Contribuintes que foram notificados e apresentaram defesa e/ou pedido de dispensa de aplicação de coima;
  • Contribuintes que foram notificados e nada fizeram dentro do prazo legal disponibilizado pela Administração tributária;
  • Contribuintes que foram notificados e cujo prazo legal de defesa ainda se encontra em curso;
  • Contribuintes que ainda não foram notificados, apesar de os correspondentes processos de contraordenação já terem sido instaurados.

Perante as notícias que circularam, na semana passada, na comunicação social, terão sido dadas instruções, pelo Ministério das Finanças, para que estes processos de contraordenação sejam suspensos, presume-se que, no estado em que se encontram.

Significa isto que, nas situações em que os processos tenham sido arquivados pelo pagamento (antecipado ou não), a suspensão não operará qualquer efeito, pois, nestes casos, já não subsistirão quaisquer processos.

Consideramos que não existem fundamentos legais para a alegada suspensão dos processos de contraordenação e desconhecemos os fundamentos efetivamente invocados. Por seu lado, a extinção dos processos de contraordenação, emergente do seu arquivamento, implicará que o eventual reembolso só possa ser obtido do Estado mediante a apresentação de uma ação administrativa que, para o efeito, seja intentada.

Por outro lado, relativamente aos contribuintes que foram notificados e cujo prazo legal de defesa ainda se encontra em curso, afigura-se prudente que os mesmos apresentem defesa e/ou pedido de dispensa de aplicação de coima, na medida em que, independentemente das notícias da suspensão destes processos, a verdade é que, não o exercendo, poderá ficar precludido o seu direito de defesa.

Refira-se, finalmente, que não existe base legal no Regime Geral das Infrações Tributárias que permita a restituição do valor das coimas já pagas, pelo que essa eventual restituição terá de passar, necessariamente, por uma alteração legislativa, que contemple a criação de um regime legal transitório, à semelhança do que ocorreu, em 2015, com a aprovação do regime excecional de regularização das taxas de portagem e das coimas associadas à sua falta de pagamento.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Quer proteger-se contra os percalços do Via CTT? Nós ajudamos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião