Netflix está a mostrar publicidade entre episódios. Utilizadores ameaçam cancelar o serviço

O Netflix está a mostrar "recomendações" a alguns utilizadores entre filmes ou episódios de séries. A empresa diz que é um teste, mas já há quem ameace cancelar a subscrição do serviço.

O Netflix está a mostrar anúncios publicitários entre os conteúdos, uma decisão que está a provocar a indignação de muitos utilizadores. A empresa já confirmou que está a fazer testes, mas não lhes chama de anúncios — são “recomendações”.

Depois de surgirem relatos nas redes sociais de que a plataforma se encontra a reproduzir anúncios entre filmes ou episódios de séries televisivas, a empresa confirmou a um jornal especializado que se encontra a testar a exibição de vídeos promocionais, mas que os utilizadores têm a opção de saltar diretamente para o conteúdo que pretendem visionar.

“Estamos a testar de que forma é que as recomendações entre episódios ajudam os assinantes a descobrir mais rapidamente certas histórias de que vão gostar”, disse fonte oficial da empresa ao jornal ARS Technica, citada pelo Business Insider (acesso condicionado). Assim, a empresa prefere chamar estes vídeos de “recomendações”, em vez de “anúncios”.

Mas apesar de a empresa ter garantido ao mesmo jornal que os utilizadores podem saltar estes vídeos — como acontece no YouTube, por exemplo –, pelo menos um subscritor, no Reino Unido, reclamou no fórum Reddit que essa opção não existia e que teve de assistir ao anúncio até ao fim, de acordo com o Business Insider.

No entanto, não é a única queixa. Várias publicações nas redes sociais sugerem que os assinantes do serviço não veem esta decisão com bons olhos, uma vez que este é um serviço pago e que o modelo de negócio da publicidade é, geralmente, associado ao conteúdo gratuito que existe na internet. Muitos utilizadores estão a ameaçar que vão cancelar a subscrição do serviço, caso a empresa continue a exibir estas “recomendações”.

O principal argumento de quem se insurge contra esta opção é o de que o serviço é pago. Além disso, a empresa tem vindo a subir os preços em vários mercados. Existem várias modalidades, que começam nos oito dólares no Reino Unido por uma conta básica com conteúdos em baixa definição. Em Portugal, uma assinatura do Netflix começa nos 7,99 euros e pode ir até aos 13,99 euros.

“Agora, o Netflix está a mostrar anúncios aos seus próprios programas. É tempo de cancelar a minha subscrição”, escreveu um utilizador no Twitter. “Adoro o Netflix e sou assinante há vários anos. Mas se começarem a ter anúncios, mesmo se os puder saltar, irei cancelar a minha conta”, disse outra assinante na mesma rede social.

Para já, há relatos destes anúncios no Reino Unido, Estados Unidos e Austrália. Desconhece-se se este teste também abrange o serviço em Portugal, bem como quanto tempo irá durar, ou se a empresa está a ponderar implementar definitivamente esta ideia. Contudo, todos os utilizadores têm a opção de ficar de fora dos testes realizados pela empresa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Netflix está a mostrar publicidade entre episódios. Utilizadores ameaçam cancelar o serviço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião