Inverno seco e primavera fria atrasam colheitas. Produção vinícola vai cair 5%

As vinhas apresentam um ciclo vegetativo muito atrasado, fruto das condições climatéricas, o que faz prever que a produtividade desça 5%.

As vinhas apresentam um ciclo vegetativo muito atrasado, que varia consoante as regiões, entre as duas e as três semanas. Este atraso faz prever que a produção decresça 5% face ao ano anterior. As previsões de 31 de julho foram divulgadas durante a manhã desta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

As condições climatéricas, nomeadamente o inverno seco e a primavera fria e chuvosa, têm influenciado determinantemente o decorrer da atual campanha vitícola. A floração e o desbaste decorrem com tempo húmido, o que origina o desavinho, um acidente que ocorre na videira e que desencadeia o abortamento de flores, ficando o cacho com poucos bagos.

Além do desavinho, o tempo húmido tem originado, também, a bagoinha, que consiste na formação de cachos pequenos, simultaneamente ou não com bagos normais, muitas vezes sem grainha e de maturação difícil.

O atraso no ciclo da videira confere, assim, às condições climatéricas dos meses de agosto e setembro um caráter especialmente relevante no que toca à qualidade e quantidade de vindima deste ano.

Boas notícias para a produção de cereais

Mas, se por um lado as condições climatéricas não abonaram a favor da vindima, por outro, favoreceram a produção de cereais durante o passado outono e inverno, que cresceu 8% face a 2017. Nas culturas de primavera/verão, o INE perspetiva que haja um aumento da área de milho para grão, mais 5%, o que fará com que se fixe nos 90 mil hectares.

No arroz, a produção deverá manter-se semelhante à do ano anterior. Já na batata doce, as colheitas que já foram realizadas apontam para uma produtividade a rondar as 21 toneladas por hectare, um valor cerca de 10% inferior à produtividade registada em 2017.

Os pomares, tal como as vinhas, estão com atrasos no ciclo vegetativo. No caso da maçã e da pera, as previsões são para reduções do rendimento unitário, menos 5% e menos 10%, respetivamente. No pêssego, pelo contrário, estima-se um aumento da produtividade em 5%.

Na amêndoa, o INE prevê que haja uma diminuição de 20% face à campanha anterior, fruto das dificuldades da floração do fruto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inverno seco e primavera fria atrasam colheitas. Produção vinícola vai cair 5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião