Ex-ministro Arlindo Cunha diz que Portugal tem de ir a Bruxelas negociar a nova PAC

  • Lusa
  • 22 Agosto 2018

O antigo ministro da Agricultura, Pescas e Alimentação considerou hoje que Portugal tem de “arranjar forma de ir a Bruxelas” melhorar a negociação do orçamento da Política Agrícola Comum pós 2020.

O antigo ministro da Agricultura, Pescas e Alimentação Arlindo Cunha considerou hoje que Portugal tem de “arranjar forma de ir a Bruxelas” melhorar a negociação do orçamento da Política Agrícola Comum (PAC) pós 2020.

“O orçamento da União Europeia dá-nos, por um lado, 160 milhões de euros a mais no primeiro pilar da PAC para pagamentos diretos, mas tira-nos, por outro lado, 600 milhões de euros para apoiar os investimentos e a modernização agrícola. No fundo, Portugal tem uma perda líquida superior a 460 milhões de euros”, disse no seminário “A PAC pós 2020 e a Agricultura na Região Norte”, em Penafiel, no distrito do Porto.

O também professor catedrático lembrou que o Estado Português tem muitas dificuldades orçamentais, acrescentando que para os agricultores não saírem prejudicados o Governo de António Costa tem de “arranjar forma de ir a Bruxelas” melhorar a negociação.

“Estamos a falar de muito dinheiro, muitos milhões e, nós, estamos habituados a negociar muitas reformas da PAC, logo o Governo tem aqui uma série de meses para melhorar a proposta da União Europeia”, frisou.

Arlindo Cunha salientou que não há um único país na Europa que esteja satisfeito com a atual proposta.

Para que o país não fique numa situação em que os apoios à modernização da agricultura vão baixar, o ex-governante considerou que o desafio do Governo é negociar porque é sua responsabilidade apoiar o setor.

Outra das preocupações a ter em conta nesta reforma é a melhor distribuição de apoios entre agricultores, especialmente em zonas de montanha e “ultraperiféricas”, ressalvou.

“O interior no seu conjunto está num processo terrível de desertificação e se não houver medidas radicais no plano fiscal, apoios económicos, serviços públicos e demográficos o interior, tal como o conhecemos, daqui a uma geração vai terminar”, disse.

Arlindo Cunha, 67 anos, economista, professor e político, foi ministro da Agricultura, Pescas e Alimentação no Governo de Aníbal Cavaco Silva, tendo sido sob o seu exercício que o Conselho de Ministros da Agricultura da União Europeia aprovou a reforma da PAC, em 1992.

Segundo uma proposta apresentada em 1 de junho em Bruxelas, Portugal vai receber menos dinheiro no âmbito da PAC no próximo Quadro Financeiro Plurianual (QFP), estando prevista uma ligeira subida nos pagamentos diretos aos agricultores.

A Comissão Europeia propôs uma verba de cerca de 7,6 mil milhões de euros no QFP 2021-2027, a preços correntes, abaixo dos 8,1 mil milhões do orçamento anterior, com uma ligeira subida nos pagamentos diretos e cortes no desenvolvimento rural.

A preços correntes, para o QFP 2021-2027, está prevista uma verba de 4,2 mil milhões de euros no primeiro pilar (pagamentos diretos) e de 3,4 no segundo (desenvolvimento rural).

No arranque da PAC 2014-2020, Portugal recebeu 4,1 mil milhões de euros no âmbito do primeiro pilar e 4,082 mil milhões no segundo pilar.

Os cortes orçamentais devem-se à saída do Reino Unido, que deixa um ‘buraco’ de 12 mil milhões de euros nas receitas da UE.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ex-ministro Arlindo Cunha diz que Portugal tem de ir a Bruxelas negociar a nova PAC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião