Quantos alojamentos locais estão registados em Portugal?

Antes de 2014, ano em que entrou em vigor a nova lei, estavam registados em Portugal pouco mais de 10 mil alojamentos locais. De então para cá, os números têm disparado.

Quase 80 por dia. É a este ritmo que, por esta altura, estão a ser registados novos alojamentos locais em Portugal, mas nem sempre foi assim. O arrendamento temporário de casas a turistas existe há décadas, mas foi só a partir de 2014, com a entrada em vigor de um novo regime que veio regular esta atividade, que o fenómeno ganhou peso. Hoje, o alojamento local responde por uma parte significativa dos números do turismo e, em zonas como Lisboa, Porto e Algarve, há freguesias onde mais de um quarto das casas servem para alojar turistas.

Os números são reveladores: antes de 2014, ano em que entrou em vigor a nova lei, estavam registados em Portugal pouco mais de 10 mil alojamentos locais — o que não significa que só existissem estas unidades, uma vez que a economia paralela, com várias unidades não registadas, era comum neste setor.

De então para cá, os registos têm disparado. Foram registados quatro mil alojamentos em 2014; mais de 10 mil em 2015; 11 mil em 2016; 19 mil em 2017; e, este ano, até à data, já foram registados 18.625 alojamentos. Significa isto que, ao longo deste ano, foi registada uma média de 79 alojamentos locais por dia, um número superior ao do ano passado, quando eram feitos, em média, cerca de 52 registos por dia.

Chegados a 24 de agosto de 2018, estavam registadas no Registo Nacional do Alojamento Local (RNAL), gerido pelo Turismo de Portugal, 73.489 unidades de alojamento local.

Há grandes diferenças a nível regional. Juntos, os distritos de Faro, Lisboa e Porto concentram perto de 80% de todos os alojamentos locais do país. O Algarve destaca-se, com mais de 29 mil registos, seguido de Lisboa, que tem perto de 20 mil, e do Porto, com mais de oito mil.

As alterações à lei do alojamento local, recentemente aprovadas e já publicadas em Diário da República, poderão vir refrear este ritmo de crescimento. Isto porque uma das alterações prevê que as autarquias possam definir áreas de contenção dentro dos municípios, nas quais poderão ser fixadas quotas máximas para a concessão de licenças para exploração de alojamento local.

Para já, contudo, o efeito é precisamente o contrário. Uma vez que não é ainda certo quais são as áreas de contenção que serão definidas pelas câmaras, o número de novos registos tem disparado nas zonas onde esta atividade tem maior expressão. Desde que a nova lei foi aprovada no Parlamento, a 21 de julho, e até à data, foram registados mais de 900 novos alojamentos locais só no município de Lisboa, um dos que regista maior número de alojamentos em todo o país. No mesmo período do ano passado, tinham sido registados pouco mais de 400 alojamentos nesta zona.

Quanto custa produzir uma bola de Berlim? Os portugueses bebem muita cerveja? Quanto ganha um motorista da Uber? E um presidente de junta? A quem é que Portugal deve mais dinheiro? 31 dias e 31 perguntas. Durante o verão, o ECO preparou a “Sabia que…”, uma rubrica diária para dar 31 respostas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quantos alojamentos locais estão registados em Portugal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião