Donos de alojamento local só têm de cumprir nova lei em 2020

Novas unidades estarão sujeitas às alterações já a partir de outubro deste ano. Mas os alojamentos locais já existentes têm dois anos para se adaptarem às novas regras.

Foi publicado em Diário da República, esta quarta-feira, o novo regime de exploração de estabelecimentos de alojamento local. A lei entra em vigor em outubro, data a partir da qual os novos estabelecimentos já terão de cumprir estas alterações. Os proprietários dos alojamentos já existentes, contudo, terão um prazo de dois anos para se adaptarem às novas regras.

A lei foi aprovada na Assembleia da República em julho e promulgada pelo Presidente da República no início deste mês. Agora, com a publicação em Diário da República, são conhecidos os prazos que os proprietários destes estabelecimentos têm para se adaptar. “Os estabelecimentos de alojamento local já existentes dispõem do prazo de dois anos, a contar da data em vigor da presente lei, para se conformarem com os restantes requisitos previstos no presente diploma, nomeadamente o previsto nos artigos 13.º, 13.º-A, 18.º e 20.º-A”, pode ler-se no diploma.

"Os estabelecimentos de alojamento local já existentes dispõem do prazo de dois anos, a contar da data em vigor da presente lei, para se conformarem com os restantes requisitos previstos no presente diploma.”

Diário da República

Este prazo aplica-se, especificamente, a quatro normas: novos requisitos de segurança; a obrigatoriedade de um seguro de responsabilidade civil; a obrigatoriedade de uma placa identificativa; e a possibilidade de os proprietários de alojamento local serem sujeitos ao pagamento de uma contribuição adicional para o condomínio.

Em relação aos requisitos de segurança, os estabelecimentos de alojamento local passam a estar sujeitos ao regime jurídico da segurança contra incêndios em edifícios, exceto quando se tratarem de unidades com capacidade para dez ou menos hóspedes. Nesses casos, deverão ter extintor e manta de incêndio, equipamento de primeiros socorros e indicação do número de emergência.

Quanto ao seguro de responsabilidade civil, para além de definir que os titulares de alojamentos locais passam a ser obrigados a celebrar estes seguros, a nova lei clarifica que os donos de alojamento local também são responsáveis pelos danos provocados pelos hóspedes no edifício em que a unidade está instalada.

Para além disto, a afixação de uma placa identificativa passa a ser obrigatória para todas as modalidades. Os titulares de alojamento local poderão ainda ser sujeitos ao pagamento de uma contribuição adicional, se o condomínio decidir fixá-la, “correspondente às despesas decorrentes da utilização acrescida das partes comuns, com um limite de 30% do valor anual da quota respetiva”.

Áreas de contenção serão limitadas, mas só para os novos

Uma das mais profundas alterações deste regime é a possibilidade de as câmaras municipais definirem áreas de contenção nos seus municípios. Nestas áreas, poderão ser impostos “limites relativos ao número de estabelecimentos de alojamento local, que podem ter em conta limites percentuais em proporção dos imóveis disponíveis para habitação”.

Na prática, os autarcas que assim o entendam poderão estabelecer quotas máximas para a instalação de novos alojamentos locais. E quem quiser explorar alojamentos locais nestas áreas terá de obter da câmara uma “autorização expressa”.

Para além disso, nestas áreas de contenção, o mesmo proprietário só poderá explorar um máximo de sete estabelecimentos de alojamento local. Contudo, os proprietários que, à data da entrada em vigor desta lei, já tenham mais de sete estabelecimentos nestas áreas, não terão de sujeitar-se a esta regra, podendo manter aqueles que já têm. Não poderão, ainda assim, registar novos alojamentos para além dos que já exploram.

Desde que a lei foi aprovada no Parlamento, a 21 de julho, e até à data, foram registados mais de 900 novos alojamentos locais só no município de Lisboa, um dos que regista maior número de alojamentos em todo o país, e vários dos registos foram feitos pelos mesmos proprietários. No mesmo período do ano passado, tinham sido registados pouco mais de 400 alojamentos.

(Notícia atualizada às 11h23 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Donos de alojamento local só têm de cumprir nova lei em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião