Governo aumentou cativações na ferrovia. São já 95 milhões de euros

Novos dados das Finanças mostram que cativações na ferrovia foram reforçadas em maio, mantendo-se intocadas até junho. Governo salienta aumento de despesa de 4,9% na CP.

Até junho, o Governo ainda não tinha mexido na despesa que cativou no início do ano para a ferrovia. As regras de disciplina orçamental em vigor geraram um congelamento de despesa de 95,3 milhões de euros para os transportes ferroviários. No final do primeiro semestre, os cativos mantinham-se intactos. Mais, as novas regras impostas pelo decreto-lei de execução orçamental e publicadas a 15 de maio acrescentaram 20 milhões de euros às cativações da ferrovia.

Os dados constam da informação complementar ao Boletim de Execução Orçamental publicado esta segunda-feira pela Direção-Geral do Orçamento (DGO). Esta é a segunda vez que as Finanças estão a publicar dados detalhados sobre a gestão que é feita das cativações. A primeira vez aconteceu com o boletim publicado em abril e que se referia a março.

Nos primeiros três meses do ano, o Governo não tinha feito qualquer descativação de verbas para a ferrovia prevista no âmbito do Ministério do Planeamento e Infraestruturas. Até março, os cativos mantinham-se em 75,3 milhões de euros e esta era a rubrica com maior valor de cativos.

Mas em maio, com a entrada em vigor do decreto-lei de execução orçamental, o congelamento de verbas na ferrovia foi reforçado em 20 milhões de euros para 95,3 milhões, mantendo a liderança como a rubrica com maior valor de despesa congelada. Até junho, não foi libertada nenhuma parte deste montante.

Apesar destes números, o Ministério das Finanças revela, em comunicado, que a despesa com a Comboios de Portugal subiu 4,9% até julho face ao período homólogo para falar em “reforço em áreas prioritárias”, entre elas, os “transportes públicos”. O boletim de execução acrescenta que de janeiro até julho o Estado injetou 36,9 milhões de euros na CP e 740 milhões na Infraestruturas de Portugal. As duas empresas fazem parte da lista de entidades que define o perímetro das Administrações Públicas.

Este dado é conhecido numa altura em que crescem os relatos de problemas com os comboios. Ao mesmo tempo têm surgido notícias sobre falta de verbas para a ferrovia como é o caso da que foi publicada pelo Expresso que dá conta de um pedido da CP para combustível. O Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, liderado por Pedro Marques, emitiu um comunicado a informar que “não está, nem nunca esteve, em risco a disponibilização de verbas para o combustível na CP”.

Cativações engordaram 418,8 milhões com decreto de execução orçamental

Os dados da DGO publicados esta segunda-feira mostram ainda o comportamento das cativações totais da Administração Central e da Segurança Social. Em junho existem 922,2 milhões de euros de despesa cativada, o que significa que as Finanças tinham libertado apenas 146,7 milhões de euros em meio ano. As regras de disciplina orçamental em vigor permitiam cativações de 1.068 milhões de euros. Estas regras incluem as que resultam do Orçamento do Estado e da entrada em vigor em maio do decreto-lei de execução orçamental. Este documento aliás acrescentou cativações no valor de 418,8 milhões de euros às regras previstas no Orçamento do Estado para 2018 face aos 650,1 milhões de euros com que o ano arrancou.

Apesar de só ter libertado 146,7 milhões de euros, as Finanças estão a ser mais “mãos largas” do que no mesmo período do ano anterior, quando só tinham libertado 52,3 milhões de euros, face aos 1.448,8 milhões previstos pelas regras de disciplina orçamental de 2017.

O Orçamento do Estado para 2018 definiu que o Governo passa a divulgar informação detalhada sobre a utilização de cativações, publicação que será trimestral até que entre em vigor a nova Lei de Enquadramento Orçamental (LEO), passando depois a ser feita mensalmente.

As cativações de despesa são um instrumento de gestão orçamental comum a todos os orçamentos, que permitem adequar o ritmo da execução da despesa às necessidades e assegurar a manutenção de uma folga orçamental que permita suprir riscos e necessidades emergentes no decurso da execução, e que estão dependentes da decisão do ministro das Finanças.

O Governo quer fechar o ano com um défice de 0,7% do PIB. Até julho, o défice melhorou 1.110 milhões de euros, fixando-se em 2.624 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo aumentou cativações na ferrovia. São já 95 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião