CP encolhe prejuízos para 55 milhões no primeiro semestre

A transportadora ferroviária beneficiou do aumento das receitas e da melhoria do resultado financeiro. A reposição das progressões e o aumento do trabalho extraordinário custaram quase 5 milhões.

O grupo CP – Comboios de Portugal registou prejuízos de 55,3 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, o que representa uma melhoria face às perdas de quase 58 milhões que reportava no mesmo período do ano passado. A transportadora ferroviária beneficiou do aumento das receitas e da melhoria do resultado financeiro.

Os resultados foram comunicados, esta terça-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). “Para esta evolução, num cenário de ausência de indemnizações compensatórias e de contratualização do serviço público, contribuiu essencialmente o crescimento dos proveitos de tráfego e a melhoria do resultado financeiro, motivada pela diminuição do passivo financeiro da empresa, ainda que parcialmente compensados pelo acréscimo de gastos com pessoal, em função, nomeadamente, do impacto da reposição das progressões, da revisão do regulamento de carreiras e do acréscimo de trabalho extraordinário”, justifica a empresa no relatório e contas do primeiro semestre.

Neste período, a CP transportou mais de 62 milhões de passageiros, o que corresponde a um aumento de 3,2% face ao primeiro semestre de 2017. O valor fica, ainda assim, ligeiramente abaixo do que a empresa esperava conseguir. Já os proveitos do tráfego cresceram a um ritmo mais acelerado, para um total de 124,7 milhões de euros entre janeiro e junho, mais 5% do que há um ano.

“Estes resultados refletem a continuada dinâmica comercial da empresa, encontrando-se, no entanto, impactados pelos diversos constrangimentos que afetaram a operação ferroviária no período em análise e que originaram uma degradação da qualidade do serviço prestado”, refere a CP. Em causa, detalha, estão “o agravamento das condições da infraestrutura, as greves ocorridas e o aumento da taxa de indisponibilidade do material, por falta de capacidade produtiva da EMEF”.

Estado entra com mais dinheiro em setembro

A contribuir para a melhoria dos resultados esteve também a diminuição dos encargos com juros em 2,3 milhões, para um total de 36,7 milhões. Para além disso, o grupo reduziu a dívida em 12,7 milhões de euros no final de junho, resultado, sobretudo, da amortização de empréstimos ao Banco Europeu de Investimento (BEI). A dívida da CP ascendia, em junho de 2018, a 2,6 mil milhões de euros.

A CP deverá ainda contar com mais dinheiro a curto prazo. No relatório e contas, a empresa recorda que o Estado fez um aumento de capital no valor de 22,9 milhões de euros em fevereiro. Estava ainda previsto que fosse feito uma nova injeção de 32 milhões em junho; contudo, nesse mês, o Estado só fez aumento de capital no valor de 14 milhões.

A CP prevê agora que os 18 milhões que faltam entrem em setembro.

Progressões e trabalho extraordinário custam 5 milhões

Em sentido contrário, a penalizar os resultados da CP esteve o aumento dos gastos com pessoal, que, no primeiro semestre, totalizaram 65,4 milhões de euros, mais 4,6 milhões do que era registado no primeiro semestre do ano passado.

Este agravamento decorre “essencialmente da reposição das progressões, da implementação de acordo com as organizações representativas dos trabalhadores sobre o regulamento de carreiras e ainda do acréscimo do trabalho extraordinário e outros abonos“.

Notícia pela última vez atualizada às 19h34 com mais informação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CP encolhe prejuízos para 55 milhões no primeiro semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião