Fomos procurar casa nas ruas mais caras do país

O portal Idealista divulgou esta terça-feira um estudo que apurou as dez ruas mais caras do país. E o ECO foi à procura de casa em alguns destes locais.

A Rua do Salitre é a rua mais cara do país para quem procura casa. Um estudo do portal Idealista aponta que, nesta morada junto à Avenida da Liberdade, os proprietários têm pedido uma média de 2,82 milhões de euros por habitação, valor muito superior aos 1,9 milhões pedidos na segunda rua mais cara do país, a Urbanização Soltroia em Setúbal.

Mas quanto poderá custar, realmente, morar numa das dez ruas mais caras do país? E quais estão disponíveis? O ECO consultou vários sites de imobiliário e procurou alguns negócios disponíveis em alguns destes locais. Eis o que encontrámos.

Rua do Salitre, Lisboa

Apartamento, estacionamento e pátio interior

Tamanho do lote: 245 m2
Preço: 1,6 milhões de euros

No portal da Re/Max está disponível este apartamento construído em 2008. É um primeiro andar, com quatro assoalhadas, três quartos, três casas de banho e um total de 208 m2, num lote de 254 m2. A habitação conta ainda com dois lugares de estacionamento, de acordo com a entrada no site da imobiliária.

É descrito como um “excelente apartamento”, “renovado e com aquecimento central”, com “áreas muito grandes e com muita luz”. Tem ainda um pátio interior com 36 m2 e uma arrecadação com 19 m2, naquele que é considerado um “prédio muito conceituado na zona”. Custa 1,6 milhões de euros.

Urbanização Soltroia, Setúbal

Moradia T4 com jardim e piscina

Terreno: 1.430 m2
Preço: 850 mil euros

É na península de Troia, no empreendimento Soltroia – Mar, que se encontra esta moradia com piscina, “implantada num terreno com 1.430 m2, com 430 m2 de construção”, segundo um anúncio no portal Green-Acres. “Com duas suítes e um quarto no piso térreo, junta-se ainda na área social uma sala e uma cozinha, que estão ligadas a um terraço que envolve toda a área social”, indica a descrição.

Referida como “casa de férias” pronta a entrar, tem ainda um espaço multiúsos no primeiro andar, onde há ainda um quarto e uma casa de banho. No total, são quatro quartos e quatro casas de banho. Custa 850 mil euros.

Rua Fernão Mendes Pinto, Lisboa

Uma moradia “com todas as comodidades”

Área útil: 350 m2
Preço:
3 milhões de euros

É na freguesia de Belém, em Lisboa, a 300 metros da Torre de Belém e a dez minutos do CCB, que se encontra esta moradia independente de cinco andares com 550 m2 construídos. “São 550 m2 de área bruta e 350 m2 de área útil com todas as comodidades de luxo e conforto que possa imaginar”, escreve o anunciante.

É um T3 em segunda mão, com garagem incluída, construído em 2008. Na descrição consta que tem piscina interior aquecida, elevador, SPA aquecido com cinco cadeiras de massagem, sauna e banho turco e é também uma casa inteligente, com “domótica topo de gama e 17 câmaras de vigilância”. Tudo por três milhões de euros.

Rua Dom Afonso Henriques, Cascais

“Magnífico imóvel com localização de excelência”

Área construída: 585 m2
Preço:
3 milhões de euros

É uma moradia com quatro quartos e duas casas de banho, construída em 2000. Tem um salão no piso térreo, uma sala com cozinha em ilha e um terraço com deck de madeira. Conta com um primeiro piso com uma suíte com terraço e dois quartos.

Este imóvel conta também, de acordo com o anúncio, um salão de jogos com 80 m2, uma suíte e uma “zona de lavandaria”. Há ainda um T1 para caseiro, balneários de apoio na zona da piscina, um ginásio e uma sauna. Fica no Estoril e tem “vista desde o mar até à Serra de Sinta”, escreve o anunciante no portal Idealista. Vale três milhões de euros.

Avenida Marechal Gomes da Costa, Porto

T5 no condomínio fechado da avenida

Área útil: 600 m2
Preço: 1,8 milhões de euros

Esta fração do condomínio fechado Marechal 1000 está à venda no Imovirtual. É um T5 com dois pisos e 315 m2 de área habitável, sem contar com as varandas e pátios. Tem um logradouro individual com 171 m2 e, segundo o anúncio, “todas as frações [do condomínio] estão articuladas em dois pisos, com elevador independente, permitindo um acesso privativo à box de garagem situada na cave, que permite estacionar três ou quatro viaturas de forma independente”. Custa 1,8 milhões de euros.

Estas são as 10 ruas mais caras do país

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fomos procurar casa nas ruas mais caras do país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião