Galp Energia investe 150 milhões no retalho e logística em Moçambique até 2020

  • Lusa
  • 30 Agosto 2018

O investimento destina-se à expansão da rede logística e de retalho em Moçambique e deve aumentar o número postos de trabalho para mais de 2.600 colaboradores.

A petrolífera portuguesa Galp prevê investir cerca de 150 milhões de dólares (128,7 milhões de euros) na expansão da rede logística e de retalho em Moçambique até 2020, operação iniciada em 2016, anunciou esta quinta-feira a empresa em Maputo.

O plano prevê a duplicação do número de postos de combustível no país para mais de 70, referiu em comunicado a propósito da participação da Feira Internacional de Maputo (FACIM), que decorre até domingo.

“Com a chegada a Lichinga, a Galp alargou recentemente a sua rede de postos de abastecimento a todas as províncias do país”, destacou. Com o investimento em curso, o número de postos de trabalho na área do retalho deverá crescer para mais de 2.600 colaboradores até final de 2020.

A empresa anunciou ainda a construção de duas novas bases logísticas para receção, armazenamento e expedição de combustíveis líquidos e de GPL nas cidades da Matola e da Beira”, passando a contar com quatro infraestruturas do género no país”, acrescentou.

Ao participar na FACIM, a Galp foi distinguida pela Agência para a Promoção de Investimento e Exportações de Moçambique (Apiex) e pelo ministério da Indústria e do Comércio moçambicano pelos investimentos em curso no país, mercado em que a empresa está presente há mais de 60 anos.

A petrolífera portuguesa tem ainda uma quota de 10% no consórcio de exploração de gás natural líquido (GNL) da área 04 da Bacia do Rovuma, no norte de Moçambique, liderado pela Eni e Exxon.

O consórcio anunciou há um ano a decisão final de investimento numa plataforma flutuante de extração, liquefação e exportação de GNL das jazidas Coral e apresentou este ano o plano para investir a seguir nos depósitos Mamba com uma fábrica em terra.

O projeto Coral Sul deverá começar a produzir a partir de 2022 ao ritmo de 3,4 milhões de toneladas por ano, enquanto o projeto Rovuma LNG com gás extraído da zona Mamba deverá arrancar em 2024 com capacidade para fornecer 4,5 vezes mais, em simultâneo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp Energia investe 150 milhões no retalho e logística em Moçambique até 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião