PS vai propor fim das penhoras de casas

  • ECO
  • 3 Setembro 2018

O projeto, que parte da proposta de lei de bases da habitação desenhado pela deputada Helena Roseta, deverá contar com o apoio do Bloco de Esquerda e do PCP.

O Partido Socialista (PS) vai apresentar uma proposta para impedir que as casas de primeira habitação sejam penhoradas como forma de pagamento de dívidas ao Fisco e à Segurança Social. A notícia é avançada, esta segunda-feira, pelo Correio da Manhã, que indica que o projeto deverá contar com o apoio do Bloco de Esquerda e do PCP.

A medida consta da proposta para a criação de uma lei de bases da habitação, apresentada em abril este ano pela deputada Helena Roseta, e será proposto num projeto à parte. No esboço da lei de bases da habitação, o artigo referente à “proteção e acompanhamento no despejo” define que “os cidadãos gozam de proteção contra o despejo quando esteja em causa a sua primeira habitação”. Para isso, “são garantidas, nomeadamente, a impenhorabilidade da casa de família para satisfação de créditos fiscais ou contributivos, nos termos da lei“.

Tanto o Bloco de Esquerda como o PCP já apresentaram, nesta legislatura, projetos de lei para assegurar que as casas de primeira habitação não poderiam ser penhoradas como forma de pagamento de dívidas fiscais, que acabaram por baixar à especialidade para serem novamente apreciados.

Ao mesmo tempo, desde 2016 que está em vigor uma lei que impede que o Fisco possa vender casas de habitação própria e permanente para recuperar dívidas. Na prática, a Autoridade Tributária pode penhorar as casas, mas a venda das mesmas fica suspensa, para que o devedor possa pagar a sua dívida.

O projeto do PS deverá, assim, contar com o apoio dos partidos à esquerda. “É uma medida justa, no sentido da garantia do direito constitucional à habitação”, refere a deputada bloquista Maria Manuel Rola ao Correio da Manhã.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS vai propor fim das penhoras de casas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião