E se a Itália sair do euro? Dívida aumentaria ainda mais, alerta Vítor Constâncio

Sair do euro não seria positivo para Itália. Na verdade, deixar a moeda única seria sinónimo de agravar a dívida do país, colocando-o numa situação "muito frágil", alerta Vítor Constâncio.

Vítor Constâncio não tem dúvidas: se a Itália deixar o euro, não verá os seus problemas resolvidos, mas acentuados. Em entrevista ao Corriere della Sera (conteúdo em italiano), o antigo vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE) considera que tal decisão resultaria num agravamento da dívida italiana e deixaria o país numa situação “muito frágil”.

“Se a Itália deixar o euro, a sua nova moeda sofrerá de volatilidade, ataques especulativos e desvalorizações”, considera o português. Segundo explica Constâncio, o Governo italiano “teria de emitir dívida em moeda estrangeira de modo a atrair investidores”, o que — tendo em conta o cenário cambial já referido — resultaria numa agudização dos problemas de dívida desse país. Isto numa Itália cuja economia já é atualmente caracterizada pela sua “alta dívida pública”, que ronda os 132% do PIB.

Apesar do forte setor industrial italiano e do excedente externo do país, com a saída do euro, a “incerteza acabaria por prevalecer, o que prejudicaria os investimentos e o emprego”, adianta ainda o ex-número dois do BCE.

“Um país como este, com dívidas elevadas, estaria no centro das suspeitas do mercado, ficaria sujeito à fuga de capitais e ao colapso cambial. O país ficaria uma situação frágil, na qual gerir uma moeda nacional não seria simples“, sublinha Constâncio.

O economista salienta também que com a desvalorização da nova moeda italiana, os bens importados ficariam mais caros, o que prejudicaria as cadeias de produção e aumentaria os custos desses processos, o que tornaria a economia menos competitiva, comprometendo “qualquer vantagem aparente” implicada na adoção de uma outra moeda que não o euro. “Nesse ponto, a inflação aumentaria e teríamos um ciclo vicioso de desvalorizações recorrentes. Se fosse fácil, todos tentariam”, nota o português.

Já quanto à recente degradação conjuntural de Itália, Vítor Constâncio explica que a mudança de Governo em Itália e a incerteza quanto às suas políticas (nomeadamente no que diz respeito à continuação na moeda única) teve consequências negativas notórias. “Por este motivo, é importante o compromisso das autoridades italianas de permanecer no euro e respeitar as regras. É uma questão política”, conclui o economista.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E se a Itália sair do euro? Dívida aumentaria ainda mais, alerta Vítor Constâncio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião