Custos atiram Pharol para prejuízos. Queda do real castiga

A Pharol obteve um resultado líquido negativo de 2,8 milhões de euros no primeiro semestre de 2018, justificado pelos custos operacionais recorrentes, divulgou a empresa através da CMVM.

A Pharol obteve um resultado líquido negativo de 2,8 milhões de euros no primeiro semestre de 2018, justificado pelos custos operacionais recorrentes, divulgou a empresa através da CMVM, o regulador do mercado. O resultado contrasta com os lucros de 200 mil euros registados no mesmo período de 2017.

De acordo com a informação avançada, os capitais próprios da empresa reduziram-se em 27,3 milhões de euros devido à desvalorização da participação da Oi em 24,7 milhões, à desvalorização do real face ao euro e a custos operacionais recorrentes “no montante de 2,4 milhões de euros”. Por outro lado, os custos operacionais da Pharol reduziram-se 10% face a igual período do ano anterior.

“No primeiro semestre de 2018, a Pharol viu o processo de Recuperação Judicial do seu principal ativo dar passos significativos. Apesar da posição crítica assumida através da sua participada Bratel perante incompreensíveis decisões tomadas pela direção da empresa e sancionadas as mais das vezes pelo sistema judicial brasileiro, a Pharol, submetida a um plano que beneficiou credores oportunistas em detrimento de acionistas com largo passado de investimento e suporte à empresa, viu-se sucessivamente desapossada dos seus direitos e da sua capacidade de intervenção direta na Oi“, explica Luís Palha da Silva, presidente da Pharol, citado no relatório e contas da empresa.

Nos primeiros seis meses do ano passado, a Oi detinha na Pharol uma participação de 27% que baixou depois para 7,6% depois de a empresa ter decidido não participar na recapitalização da operadora através da conversão de dívida.

A Pharol, submetida a um plano que beneficiou credores oportunistas em detrimento de acionistas com largo passado de investimento e suporte à empresa, viu-se sucessivamente desapossada dos seus direitos e da sua capacidade de intervenção direta na Oi.

Luís Palha da Silva

Presidente da Pharol

“Já em julho do corrente ano, na sequência da execução do Plano de Recuperação Judicial, a participação naquela empresa, reduziu-se de 27,18% para menos de 8%, de acordo com o nível geral de diluição das posições acionistas. A cotação da Oi, que, segundo as perspetivas da direção da empresa e levando em linha de conta a redução verificada no valor da dívida, deveria ter apresentado forte crescimento, pelo contrário tem vindo a cair para níveis modestos, tendência agravada pela difícil situação em que o Brasil e, por arrasto, a sua moeda se encontram. O aumento de capital previsto pela Oi para poder iniciar novo ciclo de investimentos, abre, no entanto, uma porta de esperança à valorização deste ativo da Pharol. Internamente, manteve-se a forte contenção de custos operacionais, com efeitos visíveis na conta de resultados”, refere ainda Luís Palha da Silva.

Na sexta-feira passada, os acionistas da Pharol deram luz verde a um aumento de capital, dos atuais 26,9 milhões, para os 55,5 milhões, para poderem participar na injeção de capital na Oi que deverá impedir uma nova diluição da posição. Esta é a segunda fase do plano de recuperação da Oi, através da qual a operadora brasileira pretende angariar até quatro mil milhões de reais, ou mais de 830 milhões de euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Custos atiram Pharol para prejuízos. Queda do real castiga

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião