Portugal contraria tendência europeia e não cria emprego no segundo trimestre

Eurostat compara aos dados da criação de emprego na União Europeia. Malta e Estónia são os campeões na criação de emprego no segundo trimestre. Portugal, Letónia e Roménia estão no extremo oposto.

Portugal é um dos quatro países europeus onde não houve criação de postos de trabalho, no segundo trimestre deste ano. O pior desempenho é da Letónia, Portugal e Roménia, todos com uma quebra de 0,3% face ao trimestre anterior, revela o Eurostat. Tanto na União Europeia como na zona euro, em abril, maio e junho houve um crescimento de 0,4% na criação de emprego de acordo com os dados ajustados de sazonalidade divulgados esta terça-feira.

De acordo com o Eurostat, Malta e Estónia são os países onde a criação de emprego foi mais significativa, com um crescimento de 1,3% face ao primeiro trimestre, logo seguido da Polónia (1,2%), de Chipre (1%) e do Luxemburgo (0,9%). Uma comparação feira com base nos dados que estão disponíveis. Estes cinco países registam taxas de crescimento superiores a 3%, este ano. Nas previsões de verão, a Comissão Europeia espera que Malta cresça 5,4% este ano, uma revisão em baixa face aos 5,8% previstos na primavera; Estónia e Luxemburgo deverão crescer este ano 3,5%, menos 0,2 pontos percentuais face às previsões avançadas na primavera, a Polónia 4,6%, e neste caso trata-se de uma revisão em alta face às estimativas anteriores, e Chipre 3,6%.

Portugal perde na comparação europeia de criação de postos de trabalho

Fonte: Eurostat

No espetro oposto estão Letónia, Portugal e Roménia, todos com uma quebra de 0,3% face ao trimestre anterior, logo seguidos da Bulgária com uma quebra de 0,2%. Estes países também apresentam previsões de taxas de crescimento robustas para este ano: Roménia 4,1%, Bulgária 3,8%, Letónia 3,3% e Portugal 2,2%, de acordo com as previsões da Comissão. No caso de Portugal houve uma revisão em baixa de uma décima face às previsões de primavera.

Estes dados do Eurostat não coincidem com os do INE, divulgados a 8 de agosto, onde o instituto de estatística nacional apontava para um crescimento da população empregada de 1,4% do primeiro para o segundo trimestre, fixando-se em 4.874.100 pessoas. Esta diferença é justifica pelas diferentes metodologias seguidas por ambas as instituições.

em termos homólogos, a taxa de emprego aumentou, no segundo trimestre, 1,5% na zona euro e 1,4% na União Europeia a 28. Neste período, 238,9 milhões de pessoas estavam empregadas na UE, sendo que 158 milhões se encontravam na zona euro. Face ao mesmo período do ano passado, Malta (5,5%), Chipre (4,3%), Luxemburgo (3,8%) registaram as maiores subidas na taxa de emprego entre julho e setembro, tendo havido uma diminuição, na Roménia (-1,5%).

Na comparação homóloga, Portugal registou um crescimento de 2,1% na criação de emprego. No trimestre anterior tinha sido de 3,2%.

(Notícia atualizada às 12h28 com os novos dados enviados pelo Eurostat relativos a Malta)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal contraria tendência europeia e não cria emprego no segundo trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião