Um quarto dos gastos com progressões devem-se a professores

  • ECO
  • 11 Setembro 2018

O aumento salarial médio dos professores no próximo ano é superior à média geral da Função Pública. Só as progressões dos docentes custam 165 milhões de euros ao Estado.

Das despesas previstas pelo Estado entre 2018 e 2019 com o descongelamento das carreiras da Função Pública, cerca de um quarto devem-se às progressões e reposicionamento de professores, assinala esta terça-feira o Jornal de Negócios (acesso pago), tendo como base novos números facultados pelo Ministério das Finanças.

Entre este ano e o próximo, as despesas das progressões totalizam 773 milhões de euros, dos quais 165 milhões se deverão à progressão na carreira para os docentes. Outros 26 milhões de euros devem-se ao reposicionamento na carreira dos docentes que ainda não tinham vínculo e que, tendo iniciado a carreira durante o período do congelamento, se viram agora recolocados no escalão em que estariam se este não tivesse acontecido.

Na semana passada, o Governo reagira às exigências de aumentos por parte dos sindicatos da Função Pública referindo que 2019 traria aumentos médios de 3,1% aos trabalhadores do Estado, tendo como base a progressão nas carreiras, que continuará a abranger mais trabalhadores à medida que estes reúnem as condições para avançar de escalão. Os sindicatos reagiram assinalando que nem todos os funcionários públicos têm direito à progressão na carreira e que esta não constitui um aumento salarial generalizado.

O Jornal de Negócios concluiu que os professores têm um aumento médio um pouco superior ao da média dos trabalhadores do Estado, de 3,6%.

Estas contas não incluem ainda os custos com a contabilização de parte do tempo de serviço prestado pelos professores durante o período do congelamento das carreiras. Na sexta-feira, o Governo decidiu avançar unilateralmente para uma iniciativa legislativa no sentido de contabilizar dois anos, nove meses e 18 dias do tempo de serviço decorrido durante o congelamento, uma contabilização que considera equivalente, para a progressão, ao que aconteceu nas carreiras gerais (a quem todo o tempo de serviço contou, mas cujos avanços na carreira acontecem menos frequentemente). A contagem deste período de tempo — que é significativamente inferior ao reivindicado pelos professores de nove anos, quatro meses e dois dias — para efeitos de progressões custará 200 milhões adicionais ao Governo até 2022, embora sem impacto significativo no ano que vem.

Progressões dão em média mais 1,6 euros por mês

O economista ligado à CGTP Eugénio Rosa calculou que, em média, as progressões que começaram em janeiro tiveram um impacto de 1,6 euros no salário mensal dos funcionários públicos, noticia o Correio da Manhã. Com base em dados da Direção-Geral da Administração e do Emprego Público, o aumento médio mensal até abril de 2018 tinha sido de um euro e sessenta — muitos trabalhadores, conclui o especialista, não tiveram progressões.

Os magistrados foram a classe onde se registou um aumento salarial mais significativo, em média de 43,6 euros.

O final dos cortes salariais, por sua vez, variou muito ente classes, mas o aumento médio é de 62 euros por mês após a reposição dos salários anteriores aos cortes implementados durante o período da crise.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um quarto dos gastos com progressões devem-se a professores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião