5 coisas que vão marcar o dia

Portugal regressa ao mercado da dívida, são conhecidos os dados da inflação em agosto, acontece o debate do "Estado da União", é revelado o "Livro Bege" pela Fed e a Apple revela novos produtos.

No mesmo dia em que o Tesouro regressa aos mercados para emitir dívida de longo prazo, serão conhecidos os dados finais sobre a inflação em Portugal relativa ao mês de agosto. A nível europeu, o destaque recai sobre o debate do “Estado da União” no Parlamento Europeu. Já no outro lado do Atlântico será divulgado o “Livro Bege” e a Apple desvenda as mais recentes novidades em termos de produtos.

Portugal regressa aos mercados. Quer mil milhões

O IGCP está de volta ao mercado. A agência que gere a dívida pública realiza na manhã desta quarta-feira um duplo leilão de dívida de longo prazo (cinco e dez anos), onde pretende angariar entre 750 e 1.000 milhões de euros de financiamento. Esta emissão acontece numa altura em que as yields das obrigações soberanas nacionais dão sinais de alívio após a subida registada na semana passada por causa da tensão em Itália. A última vez que Portugal realizou uma emissão de longo prazo foi a 11 de julho, quando colocou 950 milhões de euros em títulos com maturidade a dez e 16 anos. Desde então, houve mais um leilão, a 15 de agosto, mas de curto prazo.

Inflação em agosto: desaceleração confirma-se?

Esta quarta-feira ficam fechados os dados sobre a inflação em Portugal relativa a agosto, depois de a estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística (INE) ter apontado para uma desaceleração naquele mês. A estimativa do gabinete público de estatísticas apontou para uma desaceleração do ritmo de crescimento homólogo dos preços para 1,2% em agosto, valor que irá ou não confirmar hoje. A descida dos preços dos combustíveis não terá sido alheia a essa tendência.

Juncker debate pela última vez o “Estado da União”

No Parlamento Europeu, em Estrasburgo, discute-se esta quarta-feira, o “Estado da União”. Juncker proferirá assim o seu último discurso na entrada daquele que será o último “ano académico” da sua Comissão e a menos de nove meses das eleições europeias, agendadas para maio de 2019, e da qual resultarão um novo Parlamento Europeu e um novo executivo comunitário. É esperado que os deputados europeus façam um balanço dos resultados da “Comissão Juncker” até à data e definam as prioridades a alcançar até às eleições de maio de 2019.

“Livro Bege” da Fed dá sinais sobre a economia

A Reserva Federal (Fed) dos EUA revela os últimos dados sobre a economia através do “Livro Bege”. Publicado oito vezes por ano, este documento apresenta o resumo das condições e atividade económica, com base no reportado pelos diferentes bancos centrais federais. O último “Livro Bege” foi publicado em julho, com 10 dos 12 bancos centrais a reportarem crescimento moderado ou modesto. Revelaram ainda à Fed sinais de desconfiança em torno das tarifas aduaneiras impostas pela Casa Branca.

Apple revela as novas apostas. Três novos iPhones na calha?

O Auditório Steve Jobs recebe esta quarta-feira a reunião anual da Apple, evento onde é esperada a apresentação dos novos produtos estrela da empresa da maçã. Como habitualmente, a gigante tecnológica norte-americana já deu pistas sobre os novos produtos que serão revelados. A especulação faz a restante parte do papel, falando-se no lançamento de três modelos do iPhone, incluindo uma versão maior do iPhone X. Resta saber se tal se confirma e que outras novidades podem surgir e perceber qual aquela que será a reação dos investidores, depois de a Apple se ter tornado recentemente na primeira cotada a valer mais de um bilião de dólares.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião