Exclusivo Cravinho lidera comissão da descentralização. PSD nomeia João Jardim

A Comissão Independente para a Descentralização, a entidade que resultou do acordo entre António Costa e Rui Rio, já tem um nome para presidente: João Cravinho.

A Comissão Independente para a Descentralização, criada recentemente, já tem um nome escolhido para presidente. João Cravinho, sabe o ECO, foi o nome escolhido por Ferro Rodrigues, o presidente da Assembleia da República, para conduzir os trabalhos deste órgão que deverá, a 31 de julho de 2019, emitir um conjunto de recomendações e propostas que serão tidas em conta na legislação a aprovar para a boa implementação da descentralização.

A criação desta comissão foi votada no Parlamento em junho e promulgada por Marcelo Rebelo de Sousa no início de agosto. Pouco mais de um mês depois, sabe-se quem vai liderá-la. O socialista, que foi ministro do Equipamento, Planeamento e Administração do Território do Governo de António Guterres, foi o escolhido. E, embora sem confirmação oficial, o ECO sabe que só faltará mesmo a resposta oficial de Cravinho a Ferro Rodrigues, que tem a competência de nomear o presidente da comissão.

João Cravinho, ex-ministro do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território. Mário Cruz/LUSAMARIO CRUZ / LUSA

Esta comissão, que de acordo com o diploma que a criou, é composta por “sete especialistas de reconhecido mérito, nacionais ou internacionais, com competências no âmbito das políticas públicas e a organização e funções do Estado”. Entre eles está Alberto João Jardim, o antigo presidente do Governo Regional da Madeira, nomeado pelo PSD.

Mas há mais nomes, embora não de todos os partidos. O ECO sabe que Fontainhas Fernandes também fará parte desta comissão, sendo que, de acordo com o Jornal de Notícias, Carmona Rodrigues, Adriano Pimpão e Helena Pinto são outros dos indicados pelo CDS, PS e Bloco de Esquerda, respetivamente. O PCP e Os Verdes que desde o início discordaram da comissão, não vão referir qualquer pessoa.

Prestar “contas” em menos de um ano

Esta comissão terá como competência a promoção de um “estudo aprofundado sobre a organização e funções do Estado, aos níveis regional, metropolitano e intermunicipal, sobre a forma de organização infraestadual”. Este estudo deverá incluir, entre outros elementos, a “ponderação das possibilidades de aplicação dos vários níveis de descentralização” e a “delimitação das competências próprias do nível infra estadual”.

Para além disso, irá “desenvolver um programa de desconcentração da localização de entidades e serviços públicos, assegurando coerência na presença do Estado no território”.

No final do mandato, a 31 de julho do próximo ano, a comissão irá apresentar “relatórios do trabalho desenvolvido, que devem conter as recomendações e propostas que entenda pertinentes, que são tomados como referência para as iniciativas legislativas subsequentes que se revelam necessárias”.

Competências começaram a ser transferidas

No Conselho de Ministros, o ministro-Adjunto, Eduardo Cabrita, anunciou que foram aprovados esta quinta-feira, 13 de setembro, os diplomas setoriais de transferência de competências para os municípios nas áreas da justiça, policiamento de proximidade, jogos de fortuna e de azar, gestão de praias marítimas fluviais inseridas no domínio público hídrico do Estado.

O ministro destacou ainda os diplomas que preveem a participação das comunidades intermunicipais (CIM) no apoio e estruturação de bombeiros voluntários, na promoção turística e na gestão de fundos europeus e programas de captação de investimento. Eduardo Cabrita salientou que está a trabalhar com os municípios “para concluir o processo nas próximas semanas”.

Os 23 diplomas setoriais da descentralização devem ser progressivamente aprovados em Conselho de Ministros até 15 de outubro, a tempo do Orçamento do Estado, sendo a educação e a saúde as áreas mais difíceis de acordo entre Governo e municípios.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cravinho lidera comissão da descentralização. PSD nomeia João Jardim

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião