Impresa lança SIC Ventures. Zaask é a primeira startup investida

O grupo Impresa está a criar um novo projeto, a SIC Ventures, que resulta da aposta em novas fontes de receita. A startup portuguesa Zaask é a primeira investida.

Depois da contratação milionária de Cristina Ferreira para a SIC, o grupo Impresa continua a investir. Desta vez, na criação de um novo projeto que resulta da apostas em novas fontes de receita, em especial na área digital. O grupo liderado por Francisco Balsemão criou a SIC Ventures, lançando um programa de media-for-equity, segundo o comunicado de imprensa da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Seguindo os exemplos de várias estações de televisão internacionais, a SIC promove publicitariamente o negócio das startups nas suas múltiplas plataformas (televisão, papel e digital), potenciando uma maior exposição destas marcas ao grande público e alavancando o seu rápido crescimento. Como contrapartida para o apoio a estas empresas, a SIC entra no capital da empresa, recolhendo retorno financeiro ao longo dos primeiros anos da sua vida“, pode ler-se no comunicado.

O objetivo da SIC Ventures é apoiar empresas focadas em projetos de Business to Consumer (B2C), com modelos de negócio diferenciadores em áreas como e-commerce, turismo, lazer, saúde, bem-estar, entre outras.

Zaask é a primeira startup a aderir

É portuguesa e é uma espécie de marketplace de serviços, disponibilizando um conjunto de alternativas para clientes que necessitem de encontrar uma solução, desde consertar a uma janela a tratar de um cano que rebentou. Através da Zaask, o cliente recebe várias propostas de orçamento para o seu problema e pode recorrer ao feedback de outros utilizadores sobre os diferentes prestadores do serviço.

A startup portuguesa é a primeira a usufruir do investimento do grupo Impresa, que vê na Zaask “uma empresa com um produto disruptivo com elevado potencial de crescimento”, afirma Rogério Canhoto, Chief Revenue Officer, em comunicado. “O nosso objetivo é aumentar a notoriedade da Zaask e potenciarmos e acelerarmos o seu crescimento, tornando-a na marca de referência quando as pessoas necessitem de um qualquer serviço”, acrescenta.

Já o CEO da Zaask, Luís Pedro Martins, considera que a startup tem registado um crescimento muito “significativo” e salienta que, atualmente, ajuda “dezenas de milhares de clientes todos os meses em Portugal e Espanha e temos cerca de 5000 profissionais ativos mensalmente”.

Sobre a entrada da SIC no capital da Zaask, o CEO considera que essa decisão “levará a empresa para outro patamar”. “A Impresa é claramente a empresa de media de referência em Portugal, que tem no seu ADN o empreendedorismo, característica que considerámos fundamental para o sucesso desta parceria, pelo que as expectativas não podiam ser melhores”, refere Luís Pedro Martins.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Impresa lança SIC Ventures. Zaask é a primeira startup investida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião