Além da energia, Galp vai “vender saúde” aos clientes

A empresa segue a EDP, Pingo Doce e Continente, e vai também disponibilizar um seguro de saúde aos seus clientes. Este terá um custo de 6,90 euros por mês, valor que será incluído na fatura.

Para além da energia, a Galp Energia também vai vender seguros de saúde. A energética anunciou o lançamento de um seguro de saúde destinado aos seus clientes, seguindo assim a estratégia de captação e fidelização adotada por empresas como a EDP, o Continente e o Pingo Doce.

Em causa está o lançamento do serviço Galp Assistência Família, que por um valor mensal de 6,90 euros, incluídos na fatura de energia, permite aos clientes de eletricidade e/ou gás natural da empresa liderada por Carlos Gomes da Silva, ter acesso, a um seguro de saúde de grupo Multicare para toda a família.

“Para além de dar acesso a maior rede privada de cuidados de saúde a nível nacional, disponibiliza uma ampla gama de coberturas, que inclui medicina online, médico ou enfermeiro ao domicílio, entrega de medicamentos e, ainda, descontos numa rede de cuidado e bem-estar”, diz a Galp Energia em comunicado.

A energética explica que este seguro dá acesso a mais de 30.000 pontos de atendimento, incluindo os hospitais da Luz, Lusíadas e CUF. Refere ainda que inclui o pagamento de capital diário por internamento hospitalar e permite o acesso a uma rede de terapêuticas não convencionais, que inclui homeopatia, acupuntura, naturopatia, osteopatia, fitoterapia e quiropática.

A adesão a este seguro dá ainda direito a um desconto mensal de 2% na fatura de energia durante a vigência do contrato.

O lançamento deste seguro surge cerca de quatro meses depois de também a EDP ter dado um passo semelhante, através da disponibilização de um plano de saúde para os clientes da EDP Comercial: o “plano Saúde Mais”.

As duas energéticas fogem assim um pouco ao seu negócio core, numa estratégia que já não é uma novidade em empresas de outros setores — nomeadamente as retalhistas Pingo Doce e Continente — e que tem como objetivo cativar e fidelizar clientes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Além da energia, Galp vai “vender saúde” aos clientes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião