Gulbenkian já está outra vez a negociar a venda da Partex

Em abril a Fundação Gulbenkian pôs um ponto final nas negociações com os chineses da CEFC para vender a Partex. Cinco meses depois, admite que já está novamente a negociar, mas não diz com quem.

A Fundação Calouste Gulbenkian já voltou a negociar a venda da Partex, depois de ter decidido por termo ao processo que vinha a desenvolver com os chineses da CEFC, em abril.

“As negociações continuam, mas para já não há nada para dizer”, confirmou ao ECO fonte oficial da Fundação que, nos últimos quatro meses, questionada sobre se havia desenvolvimentos na tentativa de encontrar novos interessados na Partex, ou em eventuais negociações, sublinhou sempre que não havia nada de novo. Apesar das insistências, a mesma fonte oficial não deu detalhes sobre com quem a Fundação está agora sentada à mesa das negociações.

As negociações continuam, mas para já não há nada para dizer.

Fonte oficial da Fundação Gulbenkian

O ECO também contactou o presidente da Partex, mas António Costa e Silva remeteu quaisquer esclarecimentos para a Fundação, a entidade que está a levar a cabo as negociações.

A opção de venda da Partex é “estratégica” dada a “nova matriz energética” da Fundação e uma questão de “coerência” com as convicções da instituição. Numa entrevista ao Expresso (acesso pago), em fevereiro, Isabel Mota explicou que a sustentabilidade que a Fundação defende “implicaria, mais cedo ou mais tarde, sair dos combustíveis fósseis”. “E corresponde a um movimento geral nas grandes fundações internacionais e não só: ter uma preocupação ética em relação ao bem comum e direcionar os investimentos em relação à filantropia”, acrescentou a presidente da Fundação.

A tentativa de venda não é de agora. Foi em junho do ano passado que a Gulbenkian avançou que estava a avaliar a entrada de grupos internacionais, com interesses no Médio Oriente, na petrolífera detida a 100% pela Fundação. Mas foi com os chineses da CEFC que as negociações chegaram mais longe. Contudo, as informações que começaram a ser veiculadas em março de que o presidente da CEFC China Energy, Ye Jianming, teria sido detido — houve mesmo uma delegação oficial da República Checa viajou à China em março para saber do seu paradeiro, levou a Fundação a por termo às negociações. Uma decisão que foi depois seguida pelo Montepio que estava a negociar com os mesmo chineses o negócio dos seguros, depois de o regulador ter chumbado o negócio.

Com a venda da Partex — uma operação que para avançar terá sempre de ter luz verde do Governoa Fundação esperava encaixar cerca de 500 milhões de euros.

A petrolífera representou, em 2017, cerca de 18% dos ativos da Fundação, e a sua alienação é criticada por muitos. O especialista em geopolítica do petróleo, José Caleia Rodrigues, em declarações à Lusa, na altura, lembrava que “a missão da fundação não é explorar petróleo, o petróleo é uma fonte de rendimento e hoje o setor da produção de petróleo é para gigantes”, e a Partex “pode ser um jogador menor”. “Vender a sua posição [na Partex] pode não ser asneira, mas para Portugal era interessante tê-la. E até porque as coisas podem mudar”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gulbenkian já está outra vez a negociar a venda da Partex

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião