Gulbenkian cancela venda da Partex aos chineses da CEFC

Gulbenkian decidiu pôr termo à negociação que decorria com os chineses da CEFC para a venda da Partex, anunciou a fundação em comunicado.

A Fundação Calouste Gulbenkian decidiu pôr termo à negociação que decorria com os chineses da CEFC para a venda da Partex, anunciou a fundação em comunicado.

“Na sequência das notícias recentes vindas a público sobre a situação do grupo chinês e face à incapacidade desta empresa em as esclarecer cabalmente junto da Fundação, concluiu-se que não existem condições para continuar as conversações”, esclarece a Fundação num comunicado enviado às redações.

Na sequência das notícias recentes vindas a público sobre a situação do grupo chinês e face à incapacidade desta empresa em as esclarecer cabalmente junto da Fundação, concluiu-se que não existem condições para continuar as conversações.

Comunicado da Fundação Calouste Gulbenkian

As últimas informações conhecidas dão conta de que o presidente da CEFC China Energy, Ye Jianming, terá sido detido — houve mesmo uma delegação oficial da República Checa viajou à China em março para saber do seu paradeiro. Certo é que o também conselheiro económico do Presidente checo Milos Zeman, está ser investigado pelas autoridades chinesas por suspeita de crime e ia ser afastado do cargo. Por outro lado, a CEFC Europa, o ramo europeu deste conglomerado, anunciou esta segunda-feira a entrada do Governo chinês no seu capital.

Apesar deste revés, a fundação mantém a sua intenção de alienar a Partex. “Mantendo inalterada a sua opção estratégica relativamente à nova matriz energética, a Fundação dará continuidade ao processo de venda da Partex, tendo em conta os melhores interesses da Fundação e da empresa”, refere o mesmo comunicado.

A presidente da Fundação em entrevista ao Expresso (acesso pago) em fevereiro justificou a decisão de vender a petrolífera. “É uma questão de coerência com as nossas convicções”, referia. “A sustentabilidade que defendemos implicaria, mais cedo ou mais tarde, sairmos dos combustíveis fósseis. E corresponde a um movimento geral nas grandes fundações internacionais e não só: ter uma preocupação ética em relação ao bem comum e direcionar os investimentos em relação à filantropia”, disse Isabel Mota. Com a venda da Partex — uma operação que depende de luz verde do Governo — a Fundação esperava encaixar cerca de 500 milhões de euros.

Questionada sobre outros interessados com que a Gulbenkian possa estar a negociar, agora que o negócio com a CEFC falhou, fonte oficial da Fundação disse que “para já, não há mais nada a acrescentar”, face ao comunicado enviado.

Recorde-se que há mais entidades portuguesas a negociar com os chineses da CEFC, nomeadamente a Associação Mutualista Montepio Geral. A instituição liderada por Tomás Correia pretende vender o Montepio Seguros. A 1 de março, o grupo chinês garantia ao ECO que “não havia obstáculos” à compra do Montepio Seguros. Uma operação que chegou a ser dada como concluída, no final de novembro — a compra de 60% do capital do Montepio Seguros por 150 milhões de euros.

O ECO contactou a Associação Mutualista e a CEFC, mas ainda não obteve resposta.

(Notícia atualizada com a resposta da Gulbenkian sobre novos interessados)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gulbenkian cancela venda da Partex aos chineses da CEFC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião