Bancos têm de avaliar melhor risco dos créditos às empresas, diz Teixeira dos Santos

O presidente do EuroBic alerta para a importância da avaliação do risco e da informação como mecanismos de defesa dos bancos.

Teixeira dos Santos diz que foram tiradas lições da crise espoletada pela queda do Lehman Brothers, que agora completa um década. E o presidente do EuroBic acredita uma crise como essa não se repetirá. Mas para garantir que isso é verdade, alerta para a importância da avaliação do risco e da informação como mecanismos de defesa dos bancos.

Estamos em condições de garantir que a crise financeira espoletada pela queda do banco norte-americano não se vai repetir? “A possibilidade de isso [uma crise como a de 2008] ocorrer é bem mais reduzida, porque há mecanismos de prevenção mais apurados e de intervenção”, diz o ex-ministro das Finanças, a falar na 5.ª Edição do Fórum Desafios e Oportunidades em Coimbra, promovido pela instituição que preside.

Para garantir que não se repete mesmo, defende que é essencial os bancos fazerem uma boa avaliação dos riscos. E “há melhorias importantes a fazer na produção e disponibilização de informação ao nível das empresas, e o mais atempada possível”, afirma Fernando Teixeira dos Santos.

Os bancos “devem ter um papel importante em auxiliar a avaliar os riscos dos projetos, e exigir uma maior comparticipação das empresas“. Para o ex-ministro das Finanças, “a divida das empresas tem vindo a diminuir porque a partilha de capital próprio se tem vindo a reforçar”. “Se os empresários se mostram dispostos a pôr o dinheiro no seu projeto, isso dá confiança aos bancos”, explica.

"A divida das empresas tem vindo a diminuir porque a partilha de capital próprio se tem vindo a reforçar. Se os empresários se mostram dispostos a pôr o dinheiro no seu projeto, isso dá confiança aos bancos.”

Teixeira dos Santos

Presidente do EuroBic

Para o banqueiro, já se vive uma situação de maior equilíbrio. “A crise deixou-nos um legado muito grande”, que é a dívida. “Enquanto tivermos níveis de divida que ainda são elevados, será difícil termos uma estabilização”, mas “as coisas têm vindo a evoluir”, nota, relevando que os mecanismos de prevenção e de intervenção estão “mais apurados”.

Fernando Teixeira dos Santos conversa com António Costa, publisher do ECO.Paula Nunes/ECO

“O Banco Central Europeu ganhou uma projeção e influência decisiva, numa intervenção coordenada com a União Bancária”, diz o presidente do EuroBic. Para assegurar a estabilização e o reforço do sistema financeiro e a saúde das contas públicas, “temos de estar focados em continuar a criação da União Bancária“, remata.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos têm de avaliar melhor risco dos créditos às empresas, diz Teixeira dos Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião