Costa aos empresários em Angola: “O investimento angolano é bem-vindo em Portugal”

O primeiro-ministro diz que é preciso fazer um esforço para manter a relação bilateral equilibrada. Destaca que as exportações já estão a recuperar, e que o investimento é essencial.

O primeiro-ministro António Costa falou esta terça-feira com os empresários em Luanda, sublinhando a importância de fazer um esforço para manter as relações, e destacou que Portugal continua a precisar do investimento angolano.

Costa diz aos empresários que “o investimento angolano é bem-vindo em Portugal”, e que é algo que o país continua a necessitar para o seu desenvolvimento, em declarações durante um fórum empresarial. Pediu que as empresas continuassem a investir, exportar, e criar trabalho.

Depois de relembrar que as exportações para Angola sofreram durante o período da crise, afirma que “a recuperação económica de Portugal tem permitido um aumento” destas já desde 2017, e que a relação entre os dois países está “equilibrada”. O primeiro-ministro mostra-se confiante de que se vão concretizar no dia-a-dia “as oportunidades que a parceria estratégica deve visar”.

António Costa reforçou ainda a ideia de que não é necessário a cooperação cingir-se apenas aos dois países, e que “os governos vão trabalhar do ponto de vista bilateral mas também trilateral, associando a nós outros países e outras empresas”. Estes deverão ajudar a relação, e também “a capacidade que temos juntos de intervir noutros espaços”, tanto europeus como africanos.

Os ministros da Agricultura português e angolano, presentes, irão assinar um acordo, o programa de ação 2019/2021, que vai valorizar aquilo que para Costa é “um enorme potencial”. Acredita que Angola tem, através desta aposta, a “oportunidade de reforçar a autonomia económica”.

Para além deste acordo é também celebrado o Programa Estratégico de Cooperação, que tem como um dos pontos mais importantes a educação, de forma a “reforçar o capital humano como condição para potenciar o desenvolvimento”, explica o primeiro-ministro.

Angola está aberta às empresas, desde que “traga riqueza para ambos”

Ao intervir antes do início de um encontro a sós com o primeiro-ministro português, o Presidente angolano já devolveu o convite de Costa. João Lourenço afirmou esta terça-feira que os investimentos diretos portugueses em todos os setores em Angola são “bem-vindos” e que Portugal pode assumir um papel relevante no desenvolvimento dos dois países.

João Lourenço salientou ainda que os investimentos na indústria transformadora, com base em matérias-primas e em materiais locais, a agricultura e a agroindústria são fundamentais para o mercado interno e para as exportações angolanas.

“Vemos com bons olhos a implantação de pequenas e médias empresas portuguesas no mercado angolano, dentro de uma lógica em que se estabeleçam no nosso país para produzir riqueza que resulte em benefícios importantes para ambos“, destacou João Lourenço.

Nesse sentido, o Presidente angolano, dirigindo-se a António Costa, encorajou-o a sensibilizar os investidores portugueses para aceitarem o desafio, “criando-lhes facilidades por via de linhas de crédito que os ajudariam a realizar negócios em Angola”.

“Do nosso lado, estamos a fazer uma aposta decidida na criação de um ambiente de negócios seguro e atrativo, no âmbito do qual os investidores deixam de se confrontar com obstruções resultantes de procedimentos exageradamente burocráticos para estabelecerem uma empresa ou negócio em Angola”, sublinhou.

Para João Lourenço, porém, há que ter em conta que, para todos esses objetivos, que “prevaleçam sempre o bom senso, pragmatismo e sentido de Estado”, para que as relações entre os dois países saiam “continuamente robustecidas” e possam fazer face, “e vencer” as “visões pessimistas” que, de quando sem quando, se procuram afirmar. “Encorajo, pois, a mantermos uma linha de diálogo permanente entre nós”, recomendou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa aos empresários em Angola: “O investimento angolano é bem-vindo em Portugal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião