Plataforma de Media Privados diz que existe assimetria nas condições da RTP face à concorrência

  • Lusa
  • 19 Setembro 2018

"A eventual subida da CAV, reclamada pela RTP, é injustificada e traduzir-se-ia numa sobrecarga adicional e irrazoável para os contribuintes", aponta a PMP.

A Plataforma de Media Privados (PMP), que inclui a SIC e TVI, afirmou esta quarta-feira existir uma “assimetria” nas condições de funcionamento da RTP face à concorrência e considerou injustificada a eventual subida da contribuição audiovisual defendida pela estação pública.

Em comunicado, a PMP entende que, no seguimento das declarações recentes sobre o financiamento da televisão estatal, deve “esclarecer a opinião pública sobre a assimetria das condições de funcionamento entre a RTP e os operadores privados”. Em entrevista ao Público, o presidente da RTP, Gonçalo Reis, “defende que o operador público está a cumprir orçamentos rigorosos e a prestar mais serviço público, pelo que o Governo deve cumprir o seu quinhão e aumentar a CAV (contribuição audiovisual), que é hoje de 2,85 euros, pelo valor da inflação” e “não receia os novos canais de desporto e informação na TDT [televisão digital terrestre], mas quer passar a ter publicidade na RTP3 e na RTP Memória“.

Já durante uma audição parlamentar, também na semana passada, o gestor afirmou que a RTP “não quer nem deixa de querer” uma atualização da CAV consoante a inflação, mas salientou que, “com mais meios, poderá fazer-se mais”. Perante isto, a PMP aponta que a “RTP beneficia de um regime de exceção que lhe permite, por via da prestação de um serviço público de televisão, beneficiar em exclusivo” de uma CAV paga “por todos os portugueses, com as suas faturas de eletricidade. O seu valor mensal foi aumentado (+7,5%) em 2016 para os atuais 2,85 euros”.

No ano passado, a CAV atingiu 176,4 milhões de euros, “o que significa que o operador público viu a sua atividade financiada pelos contribuintes em cerca de 483 mil euros diários, a que se somam outras formas de receitas, especialmente a publicidade e os direitos de emissão, em concorrência com os operadores privados, além dos sucessivos aumentos de capital subscritos pelo acionista único, o Estado”, prosseguiu a PMP.

A eventual subida da CAV, reclamada pela RTP, é injustificada e traduzir-se-ia numa sobrecarga adicional e irrazoável para os contribuintes“, aponta a PMP, considerando que tal resultaria num “agravamento das condições de manifesta concorrência desleal em que atuam os operadores privados de media, em particular os televisivos”.

Relativamente à transmissão dos canais da RTP na TDT (plataforma de sinal aberto), a Plataforma de Media Privados salientou que a estação pública tem “uma situação de vantagem, na media em que lhe é permitido, ao contrário dos operadores privados, distribuir os seus canais temáticos (RTP3 e RTP Memória), estando-lhes vendado o recurso à publicidade”. Por isso, “a possibilidade defendida pela RTP de que os seus dois canais temáticos poderem também, na TDT, aceder a receitas publicitárias — algo que a legislação atual não permite –, atentaria contra os mais elementares princípios do jogo concorrencial”, conclui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Plataforma de Media Privados diz que existe assimetria nas condições da RTP face à concorrência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião