Nova associação do setor da construção. Terá sede no Porto e designa-se AICCOPN

  • Lusa
  • 20 Setembro 2018

O processo de “integração” das associações dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) e de Empresas de Construção e Obras Públicas deverá ficar concluído dentro de “alguns meses”.

A nova estrutura associativa resultante da integração das associações dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) e de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços (AECOPS), anunciada esta quinta-feira, ficará sediada no Porto e designar-se-á AICCOPN.

Segundo adiantaram os presidentes das duas associações – que assinaram esta quinta-feira no Porto um memorando de entendimento definindo “os princípios para constituir uma coligação interassociativa que permita a criação de uma direção unitária e comum” –, o processo de “integração” deverá ficar concluído dentro de “alguns meses”.

“Esta evolução traduzir-se-á numa futura integração interassociativa mediante concentração das suas estruturas, em modelo jurídico que será definido no âmbito da coligação”, explicaram Manuel Reis Campos, da AICCOPN, e Ricardo Pedrosa, da AECOPS, em conferência de imprensa.

Num primeiro e “curto” momento, durante o qual as duas associações manterão a respetiva “individualidade”, estará em funções um “conselho de coligação/supervisão” que conduzirá o processo que culminará na “integração plena” das duas estruturas numa entidade única representativa do setor da construção.

A nova estrutura associativa ficará sediada no Porto e terá “estruturas fortes” em Lisboa e em Faro, dispondo depois de diversas delegações ou representações nos vários distritos do país.

Com cerca de 6.000 associados, a AICCOPN assume-se como “a maior associação do país”, entre “todos os setores de atividade”, enquanto a AECOPS contabiliza atualmente cerca de 800 associados com as quotas em dia.

Para Ricardo Pedrosa, “a congregação das duas associações pode ser um fator de atração para que muitas empresas se sintam incentivadas a tornarem-se sócias de uma realidade única”.

O próximo passo é agora levar o processo de integração a aprovação em assembleias-gerais a convocar por ambas as associações, sendo que, segundo adiantou à agência Lusa o presidente da AICCOPN, a lista a levar a votos nas primeiras eleições para a direção da nova associação irá integrar representantes das duas estruturas.

De acordo com Manuel Reis Campos, a assinatura do memorando de entendimento foi “um primeiro passo” na evolução “para um modelo de organização associativo” da construção, “assente numa estrutura unitária e ajustada às necessidades do setor, das empresas e do associativismo em Portugal”.

“Tendo a mesma natureza e atividade, estas duas associações partilham dos mesmos objetivos associativos”, referem os presidentes da AICCOPN e da AECOPS, explicando que, “além de um âmbito nacional”, ambas “representam e defendem empresas que exercem a sua atividade não só em todo o país, como, de igual modo, no exterior”.

Com “princípios fundamentais” que orientarão a atuação futura da nova estrutura associativa foram apontados a “valorização e dignificação” do setor, “que é essencial para o desenvolvimento da economia a para a afirmação nacional e externa do país; a “regulação do mercado, uma vez que a redução da intervenção e do papel do Estado na economia aumentou a responsabilidade das associações”; e a dinamização de “estratégias de atuação global do setor”.

“Na base deste processo estiveram razões sobretudo de racionalidade associativa, às quais não é alheia a situação de crise estrutural que afetou a economia portuguesa, mas também de reforço de liderança empresarial e de promoção da coesão interna e afirmação externa dos agentes do setor”, explicitam.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova associação do setor da construção. Terá sede no Porto e designa-se AICCOPN

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião