Fundo Revita analisa reconstruções de casas em Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos

  • Lusa
  • 7 Setembro 2018

A Comissão Técnica do Fundo Revita vai avaliar as suspeitas de irregularidades, em Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, na reconstrução de casas afetadas pelos incêndios de 2017.

A Comissão Técnica do Fundo Revita também vai avaliar suspeitas de irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelos incêndios de 2017 em Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, afirmou esta sexta-feira o presidente da Câmara de Pedrógão Grande.

Antes do início da reunião da Comissão Técnica do Fundo Revita, Valdemar Alves, em declarações aos jornalistas, revelou que, para além de “20 e tal casos de Pedrógão Grande“, vão ser também avaliados “dois ou três da Castanheira de Pera e um de Figueiró dos Vinhos”.

“A Comissão Técnica vai avaliar todos os casos que merecem dúvidas”, acrescentou o autarca de Pedrógão Grande.

A Comissão Técnica do Fundo Revita (órgão gestor dos fundos de apoio à reconstrução das casas afetadas pelo grande incêndio de junho de 2017) analisa esta sexta-feira, em Pedrógão Grande, face às suspeitas de irregularidades, os processos de reconstrução de habitações afetadas pelos fogos.

Em causa, está o inquérito aberto em julho pelo Ministério Público para investigar irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelo incêndio de junho de 2017, após reportagem da revista Visão.

A 30 de agosto, a presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Ana Abrunhosa, disse aos jornalistas que já foram remetidos ao Ministério Público 21 processos no âmbito de alegadas irregularidades na reconstrução de habitações.

O fogo que começou em Pedrógão Grande, em junho de 2017, provocou 66 mortos e mais de 200 feridos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundo Revita analisa reconstruções de casas em Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião