Farfetch tem estreia colossal em Nova Iorque. Dispara 40%

  • Marta Santos Silva
  • 21 Setembro 2018

A plataforma de moda de luxo fundada pelo português José Neves estreou-se em Nova Iorque de 20 dólares por ação. Mas disparou na estreia, ficando avaliada em sete mil milhões de euros.

Foi uma estreia de colossal. A Farfetch brilhou na primeira sessão na bolsa de Nova Iorque, registando uma valorização de 42,25% face aos 20 dólares que serviram de referência para a entrada no mercado de capitais. Um desempenho expressivo que catapultou ainda mais o valor da empresa fundada por José Neves.

Os investidores apostaram em força nesta plataforma digital de luxo, da área da moda, tendo a Farfetch, que se estreou em Wall Street com o código FTCH, encerrado a negociação a cotar nos 28,45 dólares por ação. Durante a sessão, e depois de terem disparado 35% no primeiro negócio, chegaram a ganhar um máximo de 53%, até aos 30,60 dólares por ação.

A empresa, que inicialmente estaria avaliada entre 15 e 17 dólares por ação, acabou por entrar em bolsa a 20 dólares. E fechou a sessão bem acima desse valor, o que atirou a capitalização bolsista para os 8.116 milhões de dólares. São quase sete mil milhões de euros, o que à escala nacional equivale a uma EDP Renováveis ou a dois BCP.

Foi um dia feliz para José Neves que, à Reuters, explicou a base do negócio criado há uma década em Guimarães. A indústria da roupa de luxo “escolhe os seus caminhos e canais com muito cuidado”, embora cada vez mais seja possível ver as vantagens de apelar, por exemplo, aos clientes millennials, “que pensam com o digital em primeiro lugar. Estes clientes estão online e não no mundo offline“.

Foi na perspetiva de conseguir conquistar um pequena parte deste mercado de milhares de milhões de dólares que muitos investidores participaram no IPO, mas outros tantos foram ao mercado comprar ações da empresa que procura facilitar a compra online de roupa de marcas de luxo. Isto mesmo sendo uma empresa que nunca teve lucros — embora as suas receitas estejam em franco crescimento.

Na bolsa de Nova Iorque, não foi um dia positivo como para a Farfetch. O principal índice de referência, S&P 500, caiu 0,05% para os 2.929,31 pontos, e o tecnológico Nasdaq caiu 0,52% para os 7.986,37 pontos. O industrial Dow Jones subiu 0,27% para os 26.727,73 pontos, mantendo a sua pontuação recordista.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farfetch tem estreia colossal em Nova Iorque. Dispara 40%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião