Poupança das famílias regista segunda taxa mais baixa de sempre

A taxa de poupança das famílias diminuiu para 4,4% do rendimento disponível no ano terminado no segundo trimestre do ano, atingindo o segundo valor mais baixo de sempre.

A taxa de poupança das famílias diminuiu para 4,4% do rendimento disponível no ano terminado no segundo trimestre, atingindo o segundo valor mais baixo de sempre, mostram os dados divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“Como se pode observar, a taxa de poupança das famílias diminuiu para 4,4% do rendimento disponível, menos 0,2 p.p. que no trimestre anterior“, indica o gabinete de estatísticas. “Este decréscimo resultou de um aumento do rendimento disponível inferior ao da despesa de consumo final (taxas de variação de 0,7% e 0,9%, respetivamente)”, acrescenta ainda. Ou seja, os rendimentos dos portugueses subiram mas os gastos com consumo subiram ainda mais no último ano.

Trata-se do segundo valor mais baixo desde 1999, quando se inicia a atual série do INE relativamente às Contas Trimestrais por Setor Institucional. A taxa mais baixa de sempre foi registada no terceiro trimestre do ano passado, quando o nível de poupança ficou-se nos 4,0% do rendimento disponível das famílias.

Famílias poupam menos

Fonte: INE

De acordo com o INE, o rendimento disponível das famílias subiu sobretudo por causa do aumento das remunerações recebidas, “que registaram um acréscimo de 1% no segundo trimestre de 2018 após um aumento de 0,9% observado no trimestre anterior”.

“Contudo, o saldo positivo dos rendimentos de propriedade registou uma diminuição de 2,2% no segundo trimestre de 2018, contribuindo para a desaceleração do rendimento disponível. Os rendimentos de propriedade recebidos e pagos apresentaram taxas de variação de -1,8% e 3,8%, respetivamente”, revela o gabinete de estatísticas.

(Notícia atualizada às 11h56)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Poupança das famílias regista segunda taxa mais baixa de sempre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião