Grande em Tudo. É o Série 6 GT da BMW

Quer o espaço de um SUV, mas não dispensa o estilo coupé? O GT é a resposta. É um automóvel para quem procura o conforto mas na dispensa o feel de um BMW.

Um coupé? Um SUV? Bem, na realidade, não é nem uma coisa nem outra. O Série 6 Grand Touring, que veio substituir o 5 GT, é um grande familiar com linhas que fazem lembrar as de um coupé, mas generoso o suficiente para envergonhar qualquer SUV. É o BMW ideal para uma família grande que não dispense nem estilo, nem espaço e, claro, o luxo. E que adore devorar quilómetros de asfalto.

Quando falamos do Série 6, automaticamente lembramo-nos do grande coupé que a marca introduziu há alguns anos. Mas este tem pouco ou nada a ver com esse modelo. O 6 GT é mais um 5, mas muito maior. Para começar, em vez de uma frente esguia estamos perante uma dianteira imponente, larga e alta, mas é quando o vemos de perfil que percebemos a verdadeira dimensão deste premium.

É comprido até dizer chega, o que o torna pouco prático quando se quer estacionar na cidade — embora quem compra estes modelos certamente tem garagem para o guardar. E alto. Mas a curva descendente até à traseira acaba por disfarçar um pouco essa forma menos comum. E o spoiler a rematar o porta-bagagens ajuda em muito nessa ilusão de ótica.

Espaço, espaço e mais espaço

Todo este desenho mais peculiar dos Grand Touring — já o 5 GT era assim — encontra explicação quando se abre a porta. É gigante. Seja o condutor e o passageiro do lado, sejam as três pessoas que vão no banco de trás, ninguém tem razões para se queixar de falta de espaço para pernas, ombros ou cabeça. Há espaço e conforto para os cinco.

Da vontade de agarrar no 6 GT e arrancar para um périplo pela Europa. É que não só os ocupantes têm as comodidades necessárias para essa viagem, como há espaço para levar o guarda-roupas atrás. A bagageira leva 640 litros. É um número que impõe respeito, mas só mesmo vendo se percebe a verdadeira dimensão do compartimento de carga.

Que motor!

Cinco pessoas, bagageira carregada. E motor para carregar isto tudo mais o peso do próprio carro? Não há problema. Mesmo. A BMW sabe que tem aqui um carro e tanto. Por isso, também soube colocar debaixo do capot algumas das suas melhores unidades, tanto a gasolina como a gasóleo.

Há o 630i e o 640i, a gasolina, mas no mercado nacional continua a reinar o diesel. Daí que depois do 30d e 40d, recentemente tenha sido colocado o 20d como entrada de gama. Mas quanto mais potência, melhor — embora isso se pague bem: 98 mil euros ou 120 mil com extras imprescindíveis. Daí que o ECO tenha ensaiado o 640d X Drive, um bloco que debita 320 CV. São muitos e fazem-se ouvir (e ver no conta quilómetros).

Se o ronco da gasolina é música para os ouvidos de muitos, o ronronar deste diesel é suficiente para dar um arrepiozinho no braço. Com as duas mãos no volante, é ouvir o motor subir de regime e as mudanças discretamente a passarem. É uma máquina de devorar asfalto com o feel da BMW, mas sempre fiel ao conforto que se pede a um automóvel destes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grande em Tudo. É o Série 6 GT da BMW

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião