Afinal, licenciados pré-Bolonha não vão ser equiparados a mestres

  • ECO
  • 25 Setembro 2018

Ao contrário do que tinha anunciado Manuel Heitor, a equiparação entre licenciaturas pré-Bolonha e mestrados não vai avançar. Questionado, o Governo não explica decisão.

Afinal, os licenciados pré-Bolonha não vão ver os seus graus académicos equiparados a mestrados para efeitos de concursos ou de prosseguimento de estudos. Ao contrário do que tinha sido anunciado, em março, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior decidiu “não introduzir alterações ao enquadramento legal atualmente vigente”, avança o Público (acesso condicionado), esta terça-feira. Questionado pelo mesmo jornal, o Governo não forneceu qualquer explicação para ter deixado cair a medida.

No final de março, o ministro do Ensino Superior tinha adiantado que os bacharelatos e licenciaturas concluídas antes da reforma de Bolonha iriam ser equiparados a licenciaturas e mestrados, respetivamente, no âmbito da revisão do regime jurídico de diplomas e graus académicos.

Agora, cerca de seis meses depois, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recua nessa mudança: a equiparação foi “ponderada”, garante o Governo, mas “a decisão final foi no sentido de não introduzir alterações ao enquadramento legal atualmente vigente nesta matéria”.

Na nota enviada ao Público, o Governo acrescenta ainda que “a solução adotada em Portugal continua a ser igualmente adotada em todos os países aderentes ao Processo de Bolonha, que também não definiram equiparações entre os anteriores e os novos graus académicos obtidos”.

De acordo com a Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, entre o ano letivo de 1996/97 e o de 2006/07 (data do início da reforma em causa), quase 340 mil pessoas concluíram licenciaturas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Afinal, licenciados pré-Bolonha não vão ser equiparados a mestres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião