Fundadores do Instagram deixam rede social para “construir coisas novas”

  • Lusa
  • 25 Setembro 2018

Systrom e Krieger fundaram o Instagram em 2010. Agora, oito anos depois, vão deixar a rede social para "construir coisas novas" e explorar a sua "criatividade".

Os fundadores da rede social Instagram, Kevin Systrom e Mike Krieger, anunciaram que vão deixar a empresa adquirida pelo Facebook em 2012, para “construir coisas novas” e “explorar novamente” a sua “criatividade e curiosidade”.

“Vamos tirar um tempo para explorar novamente a nossa curiosidade e criatividade. Construir coisas novas exige que recuemos, entendamos o que nos inspira (…) é o que planeamos fazer”, adiantou na segunda-feira o diretor executivo do Instagram, Kevin Systrom, em comunicado.

“O Mike [Krieger] e eu”, acrescentou, “somos gratos pelos últimos oito anos no Instagram e nos seis anos com a equipa do Facebook. Crescemos de 13 pessoas para quase mil, com escritórios em todo o mundo, e agora estamos prontos para o nosso próximo capítulo.”

Systrom e Krieger, fundaram o Instagram em 2010, que foi comprada dois anos depois pelo Facebook por cerca de mil milhões de dólares e conta com mais de mil milhões de utilizadores.

Apesar dos recentes escândalos sobre questões de acesso aos dados pessoais dos utilizadores do Facebook e de ter sido tornado público que agentes russos realizaram com sucesso operações de manipulação política naquela rede social, com o objetivo de influenciar a eleição presidencial norte-americana de 2016, a verdade é que o Instagram tem conseguido preservar a sua imagem junto dos utilizadores e da opinião pública.

De acordo com o jornal The New York Times, os dois fundadores deverão abandonar oficialmente as suas funções nas próximas semanas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundadores do Instagram deixam rede social para “construir coisas novas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião