E se pudesse ler o próximo livro… no Instagram?

A iniciativa ambiciona incentivar a leitura e aproveitar a rede social de uma maneira diferente. Para aliciar os leitores, há uma introdução animada, seguida de páginas da história.

Vê-se de tudo nas histórias do Instagram, menos… estórias. A biblioteca pública de Nova Iorque (NYPL) quer mudar isso e vai disponibilizar livros nas suas “stories, para quem quiser ler.

As aventuras de “Alice no País das Maravilhas”, perfeitas para fazer os leitores cair na toca do coelho durante, por exemplo, uma viagem de metro, são as primeiras desta iniciativa, adianta a ArtNet (acesso livre/conteúdo em inglês). A obra selecionada, de Lewis Carroll, está disponível nas histórias a partir desta quarta-feira. Passado 24 horas, os livros passam para os Highlights no perfil da NYPL.

O objetivo é criar uma biblioteca digital, que os utilizadores podem visitar quando quiserem. Os “Insta Novels” são apresentados nas histórias, e para ficar a ler é apenas preciso manter o dedo no ecrã até chegar à última palavra.

Vários artistas, populares nas redes sociais, foram responsáveis pelo design gráfico e animado das capas dos livros escolhidos pela NYPL. Entre eles encontram-se Magoz e César Pelizer. Para além do design da capa, as digitalizações do livro mostram também um pequeno desenho a indicar onde se deve clicar para virar a página.

As próximas histórias vão ser o conto “The Yellow Wallpaper”, da autora Charlotte Perkins Gilman, e “A Metamorfose”, de Franz Kafka. As obras foram escolhidas também pela sua natureza visual, que permite aos leitores ter uma experiência mais dinâmica.

“É apropriado que uma das obras que escolhemos seja A Metamorfose, porque, em colaboração com a Mother, estamos a transformar completamente a forma como as pessoas olham para esta rede social popular, e a reinventar a maneira como as pessoas acedem aos clássicos”, diz Carrie Welch, diretora das relações externas da NYPL, citada pela ArtNet.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E se pudesse ler o próximo livro… no Instagram?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião