A manhã num minuto

Não sabe o que se passou durante a manhã? Fizemos um vídeo que reúne as notícias mais relevantes, em apenas um minuto.

Produto Capital Certo, cuja comercialização esteve suspensa por seis meses, perdeu 115 milhões até julho e compromete meta de financiamento da mutualista de 970 milhões com captação de poupanças. Carlos César deixou três pistas para o OE: fatura da luz vai descer, mas não através da redução do IVA, pensões até 800 euros podem subir dez euros e salários mais baixos no Estado podem subir.

O produto mutualista Capital Certo, o mais vendido pela Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG), está a registar um “buraco” de 115 milhões de euros este ano, num mau desempenho que vai comprometer os objetivos da instituição liderada por Tomás Correia em relação à captação de 970 milhões de euros em poupanças mutualistas em 2018.

No próximo Orçamento do Estado o Governo vai tentar baixar a fatura da eletricidade que os portugueses pagam, mas não vai ser por via de uma redução da taxa do IVA, revelou o líder parlamentar do Partido Socialista. Carlos César, em entrevista à RTP3, deixou ainda mais duas pistas sobre o Orçamento do Estado para 2019, os funcionário públicos com salários mais baixos podem ter um ligeiro aumento, assim como as pensões. Em causa pode estar um aumento de dez euros.

Quando Costa se sentar esta tarde na bancada do Governo no hemiciclo para responder às perguntas dos deputados, faltam precisamente 19 dias para a entrega do último Orçamento do Estado da legislatura. Por isso, é de esperar que o debate quinzenal seja já marcado pelo clima pré-Orçamento, que tem dominado as relações entre os partidos.

São os modelos mais caros alguma vez produzidos pela Apple mas, mesmo assim, são sempre muitos os que fazem fila para comprar os novos iPhone. Por cá, os preços arrancam nos 1.179 euros mas, para a empresa fundada por Steve Jobs, os custos de produção são bastante inferiores. Quanto? Peça a peça, a fatura não vai além das três centenas de euros.

O período de pré-venda do primeiro carro voador do mundo, desenvolvido pela empresa Terrafugia, que foi adquirida pelo grupo chinês Geely, arranca em outubro, com a chegada ao mercado prevista para 2019, avançou a imprensa chinesa.

Comentários ({{ total }})

A manhã num minuto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião