Benfica: já são sete os advogados contratados. João Medeiros, Rui Patrício e Saragoça da Matta são as novas contratações

A SAD do Benfica anunciou o reforço da equipa de advogados. O trio João Medeiros, Paulo Saragoça da Matta e Rui Patrício juntam-se a João Correia , José Luís Seixas, Pedro Correia e Miguel Lourenço.

João Medeiros, Paulo Saragoça da Matta e Rui Patrício, são para já, os três advogados escolhidos pelo Benfica para integrar uma equipa independente de patrocínio judicial e aconselhamento jurídico estratégico ao clube. Em comunicado, a SAD explica que a decisão teve por base “permitir a total concentração do presidente e da gestão executiva na obtenção dos resultados desportivos, económicos e financeiros fixados”.

O trio é conhecido no meio jurídico, sendo que dois pertencem a duas das maiores sociedades de advogados portuguesas: João Medeiros é sócio coordenador de contencioso penal da PLMJ e Rui Patrício é sócio coordenador de contencioso penal da MLGTS. Já Paulo Saragoça da Matta é sócio fundador do escritório SM&SB, também especializado em contencioso penal. Os três advogados são ainda membros do Fórum Penal.

Depois dos processos judiciais em que o Benfica se viu envolvido, a ideia do clube foi “implementar um modelo de gestão autónomo”, dado “o volume e a complexidade das várias matérias jurídicas”. Esta nova equipa autónoma vem agora juntar-se à equipa que já prestava assessoria à SAD, da CSA Advogados, composta por João Correia, José Luís Seixas, Pedro Correia e Miguel Lourenço, que continuarão a conduzir as matérias jurídicas do Sport Lisboa e Benfica.

Recorde-se que a SAD do Benfica foi formalmente acusada pelo Ministério Público, no âmbito do caso e-Toupeira, além do seu ex-assessor jurídico, Paulo Gonçalves e dois funcionários judiciais de oito crimes, entre eles corrupção ativa e oferta indevida de vantagem. Em cima da mesa estão penas que poderão afastar o clube da Luz de competições desportivas, além de o poder privar de subsídios do Estado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Benfica: já são sete os advogados contratados. João Medeiros, Rui Patrício e Saragoça da Matta são as novas contratações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião