Crédito às famílias cresce há sete meses consecutivos. Está em máximos de ano e meio

Em agosto, o stock dos empréstimos às famílias ascendeu a 116.324 milhões de euros. Foi o sétimo mês consecutivo de subidas, com saldo a crescer 172 milhões para máximos de mais de ano e meio.

Surgem os alertas, mas o crédito às famílias continua a crescer. Em agosto, o stock dos empréstimos a este segmento cresceu pelo sétimo mês consecutivo, atingindo um novo máximo de mais de ano e meio. O balanço é de um crescimento mensal de 172 milhões, com o stock a fixar-se em mais de 116,3 mil milhões de euros, suportado pelo crescimento do crédito ao consumo.

Estatísticas disponibilizadas pelo Banco Central Europeu (BCE), nesta quinta-feira, indicam que o saldo total do crédito às famílias portuguesas ascendia a 116.324 milhões de euros, em agosto. Trata-se do valor mais elevado desde janeiro de 2017, tendo-se verificado um aumento de 172 milhões de euros face aos 116.152 milhões existentes no mês anterior.

Saldo do crédito às famílias em máximos de ano e meio

Fonte: BCE

Tratou-se assim do sétimo mês consecutivo em que os montantes dos novos empréstimos superaram aqueles que entretanto foram vencendo. Desde fevereiro que é este o cenário, apesar dos alertas que têm surgido relativamente aos riscos associados ao crescimento dos níveis de endividamento dos portugueses.

Receios que suscitaram mesmo a intervenção do Banco de Portugal, com o regulador a emitir um conjunto de recomendações aos bancos com vista a limitarem os níveis de risco associados à nova concessão de crédito às famílias.

A iniciativa da instituição liderada por Carlos Costa foi anunciada em fevereiro e entrou em vigor no início de julho. O conjunto de recomendações incidem sobre as maturidades dos empréstimos, os rácios de financiamento e o serviço da dívida, com principal enfoque no crédito à habitação mas também nos empréstimos para consumo.

Crédito ao consumo acelera no pico do verão

Em agosto, foi precisamente esta última categoria que mais contribuiu para o crescimento do saldo dos empréstimos às famílias. No mês de eleição dos portugueses para fazer férias, habitualmente também de maior despesa para as famílias, o aumento foi de 162 milhões de euros no stock de crédito ao consumo, com este a ascender até aos 14.877 milhões de euros. Tratou-se do décimo mês consecutivo em que o total dos empréstimos com esse fim engordou, para atingir a fasquia mais elevada desde o final de 2011.

Ainda esta semana, Mourinho Félix, Secretário de Estado das Finanças mostrou a sua preocupação com o rumo que o crédito ao consumo está a ter. “É fundamental uma vigilância na evolução de crédito à economia. O crédito a particulares, em especial o crédito ao consumo, deve ser ser seguido com muita atenção para evitar que seja concessionado de forma imprudente como aconteceu no passado”, sinalizou Mourinho Félix no discurso de abertura da conferência “A Banca do Futuro”.

Também no crédito à habitação verificou-se uma subida do stock, mas ao nível menos intenso dos últimos quatro meses. O total dos empréstimos com essa finalidade ascendeu a 93.783 milhões de euros, em agosto, 15 milhões de euros acima dos 93.768 milhões registados no mês anterior. Os três meses anteriores tinham sido marcados por incrementos sucessivos no stock de empréstimos para a compra de casa: de 20, 22 e 28 milhões de euros.

Apenas na categoria de outros empréstimos às famílias se voltou a observar uma redução do saldo pelo terceiro mês seguido, em agosto. Recuou cinco milhões de euros, para 7.664 milhões de euros, a fasquia mais baixa desde março.

Comentários ({{ total }})

Crédito às famílias cresce há sete meses consecutivos. Está em máximos de ano e meio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião