Produtores de cinema de Hollywood estão de visita a Portugal

  • Lusa
  • 27 Setembro 2018

Estão previstas visitas a Lisboa, Sintra, à região centro (Óbidos, Tomar e Coimbra), Porto e região do Douro.

Representantes de produtoras de cinema dos Estados Unidos estão esta semana em Portugal para visitar várias regiões e ter encontros com agentes portugueses do setor, revelou à Lusa o Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA).

Esta é uma visita de reconhecimento do país para possíveis acordos de rodagem de produções cinematográficas em Portugal, numa iniciativa a convite do Turismo de Portugal e do ICA, e que surge no seguimento da criação do Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema.

Segundo fonte do ICA, nesta viagem participam sete representantes de estúdios e produtoras de Hollywood. Estão previstas visitas a Lisboa, Sintra, à região centro (Óbidos, Tomar e Coimbra), Porto e região do Douro.

Deverão acontecer também “encontros com diversos agentes nacionais do setor cinematográfico e audiovisual, bem como com representantes do Turismo e da Cultura”.

Aquele novo Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema – cuja regulamentação ainda não entrou em vigor – tem como objetivo apoiar iniciativas que contribuam para promover Portugal como destino turístico todo o ano e vem substituir o benefício fiscal à produção de filmes em território nacional, segundo o decreto-lei.

O fundo prevê um valor até 50 milhões de euros, para incentivar a produção de cinema internacional em Portugal, através do Turismo de Portugal, organismo que vai gerir este apoio, em articulação com o ICA.

Em junho, quando o fundo entrou em vigor, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, afirmou publicamente que, até aqui, “Portugal estava completamente fora do mapa dos produtores internacionais”.

É uma das vantagens que Portugal tem para filmagens internacionais porque permite cenários completamente diferentes, num curto espaço de tempo”, argumentou.

Um dos eixos estratégicos da atual direção do ICA passa pelo plano internacional, não só para uma maior divulgação externa da produção cinematográfica portuguesa, mas também para mostrar Portugal como um território atrativo para nele investirem.

Em junho, em entrevista à agência Lusa, o presidente do conselho diretivo do ICA, Luís Chaby Vaz, revelou que o instituto tinha recebido, até então, pedidos para dez projetos, oriundos de países como Espanha, França, Bélgica, Índia e Alemanha.

Em coordenação com esta estratégia internacional, está em curso a criação de uma film commission nacional, que terá uma equipa própria dentro do ICA, e se coordenará com as estruturas locais e regionais existentes no país.

“Não interessa vender sol, golfe, praias. Interessa vender as características próprias do setor e, do ponto de vista patrimonial, apresentar soluções práticas para os problemas que são levantados”, explicou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Produtores de cinema de Hollywood estão de visita a Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião